sexta-feira, 14 de junho de 2019

Nudes, secretariado e ética profissional





Uma das habilidades que mais admiro na profissão de Secretariado é a capacidade de manter sigilo e ética frente aos desafios diários, contendo a ânsia do compartilhamento viralisado nas redes e mídias sociais. O Secretariado ainda preserva os ares da discrição e do segredo e penso que não dá para ser diferente. 

Somente quem está inserido no contexto tem a capacidade de mensurar a quantidade de informações que transitam diariamente no mundo corporativo e que envolvem atores de vários níveis, entre eles o profissional de Secretariado. Importante mencionar que a depender do assunto, um número muito pequeno de pessoas terá conhecimento e certamente ainda assim lá haverá um Profissional de Secretariado, considerando as habilidades deste profissional. 

Atuando como Secretária Executiva por quase duas décadas tenho histórias guardadas a sete chaves. Afinal, muito além das técnicas, da formação, da postura adequada, da gentileza, da atenção e da dedicação, também atuava como uma espécia de guardiã dos meus gestores. Sempre soube o meu papel e minhas obrigações e soube me adaptar rapidamente aos diversos perfis, mantendo sempre a discrição que o cargo exigia. 

Em todas as experiências vividas, sempre procurei manter o equilíbrio e imparcialidade, com exceção de uma situação que aconteceu, trazendo profundo constrangimento e validando minha falta de empatia com o Executivo envolvido. 

Desde o primeiro contato com esse Executivo senti que a relação seria desafiadora e pouco duradoura. Embora  ele fizesse questão de manter um ar de bom samaritano-metido-a-espiritualizado, amoroso, atencioso, doce e querido, algo nele me despertava repulsa. Nunca soube explicar o porquê.  

Seja como for, fui designada para secretaria-lo e como já havia secretariado dezenas de Executivos ele seria só mais um. "Vai ser moleza! o que mais pode  me acontecer?" pensava comigo, que já havia secretariado os tipos mais exóticos.


Um belo dia, como todos os outros, ele me entregou o celular corporativo para efetuar a troca do aparelho. Durante anos eu fazia aquela atividade: receber o telefone, fazer o backup, limpar as informações, apagar os dados, enfim, era natural e fazia parte das minhas atividades garantir que todas as informações fossem apagadas, como conta de e-mail, dados bancários, senhas, etc. Tive gestores que trocavam de celular a cada 10 dias e como Secretária Executiva, tinha acesso a tudo. Em minha atuação sempre foi fundamental o fator confiança, e tive essa relação com todos os meus gestores, mesmo com os mais conservadores. 

Foi então que ao efetuar um procedimento que para mim era padrão me deparei com uma pasta com nudes do executivo. Levei um susto e imediatamente fechei a pasta constrangida e com medo que alguém me perguntasse o que tinha acontecido. Tentei manter a cara de paisagem habitual que fazia quando algo inesperado acontecia. 

Ainda sem acreditar, abri novamente a pasta e percebi que as fotos foram tiradas no ambiente de trabalho. Ao mesmo tempo que sentia vergonha, sentia raiva por tamanha falta de respeito. Fechei o celular, guardei na gaveta e fui para casa. 

Uma lição que aprendi ao longo da minha carreira foi jamais tomar decisões de cabeça quente. 

No dia seguinte fui até ele e informei que iria fazer o backup do celular e resetar as informações. "O Senhor quer verificar se há alguma informação que queira resgatar?" perguntei para ele, na expectativa que percebesse a situação. Embora hoje pense comigo: Com que finalidade ele iria responder: ah, claro! quero sim, acho que deixei uns nudes na pasta.  Ele sequer olhou para mim e pediu que tomasse as providências. 

Devo confessar que por alguns segundos tive vontade de deixar as fotos e entregar o aparelho na área de Tecnologia. Deixa-lo se expor já que não se preocupou em me constranger. 

Ética profissional foi o que me fez apertar o botão, resetar o aparelho,  esquecer esse episódio e seguir a vida como se nada tivesse acontecido. Com um clique apaguei tudo que ali constava, inclusive os nudes tirados durante o expediente, dentro do ambiente corporativo. 

Entre as lições que aprendi com esse episódio fica a certeza que reputação é aquilo que você faz quando todos estão por perto e em frente aos holofotes caráter é aquilo que você faz quando ninguém está vendo. 

Parafraseando Abraham Lincoln, "você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo".

Como previsto, afinal, "Secretárias têm bola de cristal" trabalhei pouco tempo com esse executivo e graças a Deus nunca mais tive notícias de sua vida e menos ainda dos nudes que têm feito. :)

Simara Rodrigues 



Um comentário: