quarta-feira, 3 de abril de 2019

Não é frescura



Há muitos anos li em um dos meus livros favoritos - Yoga para Nervosos - do brilhante Prof. Hermógenes, que quando um individuo adoece, adoece todo. É um equivoco considerar uma gripe apenas um mal físico. 

Podemos todos nos perguntar como uma pessoa que tem tudo ou não tem "problemas" pode sofrer de uma doença avassaladora como a depressão. Eu pouco sabia sobre depressão até receber o diagnostico da minha mãe, a última pessoa que imaginaria ser tomada por esta "coisa". A principio, relutei acreditar que uma pessoa tão forte e energética pudesse ser dominada por uma doença, que ao meu ver, estava muito relacionada à introspecção e marasmo. 

Após o diagnostico, assumi alguns posicionamentos frente à minha vida pessoal e uma das decisões foi reduzir minha carga de trabalho e me dedicar ao problema, que desejo seja passageiro. Tenho enfrentado este desafio sem a menor cerimônia e sem reservas, o que tem contribuído para que receba dezenas de mensagens de amigos confidenciando e principalmente se solidarizando com a situação da minha mãe. 

Simara, o que tem a ver a depressão da sua mãe com o blog e o Secretariado? Grande parte das mensagens que carinhosamente tenho recebido são de amigos relacionados ao Secretariado compartilhando comigo a sua dor . "Eu também tenho depressão" / "eu já tive depressão". 

Sabe quando você fica perplexa frente à algumas informações, ao ponto de demorar dias para digerir? Como assim fulano tem depressão e eu nunca percebi?

O que tenho aprendido, na minha pequena caminhada de aprendizado, é que a depressão é uma doença silenciosa e solitária. "O que vão pensar de mim", "Se descobrirem no trabalho que tenho depressão posso ser demitida (o)", "Vão ter pena de mim". Dentre tantas teorias, alguns, valendo-se de conhecimentos rasos retirados de experiências pessoais, afirmam ser frescura, falta de uma surra, outros garantem ser o mal do século ou mesmo falta de Deus na vida. Olhando de dentro, tenho a sensação que somos todos, e me incluo, ignorantes defendendo um apanhado de teorias. 

Por isso, quem convive com a pessoa acometida pela doença, precisa entender que a depressão não é frescura e exige sim cuidados, atenção e tratamento, sobretudo porque a doença pode gerar um grande sofrimento e o comprometimento de vários âmbitos da vida, como profissional, familiar e social. É importante entender que a pessoa não está doente porque quer e não é forçando-a fazer exercícios ou manter um estilo de vida que o outro entende saudável que vai resolver.

Sigo essa caminhada buscando entender alguns porquês, com o coração aberto e sendo solidária, mas principalmente mantenho a consciência do não-julgamento, buscando sempre uma comunicação não-violenta, porque mais eficiente que agredir é a atitude de benevolência, que significa querer o bem de todos os envolvidos, reconhecendo a vulnerabilidade e acolhendo o processo de cura de cada individuo. 

Talvez você possa ajudar com uma palavra, com um gesto ou talvez não possa ajudar. Seja como for, depressão pode ser tudo, menos frescura.

Com carinho, 

Simara Rodrigues

P.S. Em complemento, compartilho depoimento, emocionante, do Jornalista Ricardo Boechat, alertando sobre a gravidade doença.

DEPOIMENTO BOECHAT


Nenhum comentário:

Postar um comentário