sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Como você tem se nutrido?

Sorriso frouxo numa quarta-feira despretensiosa em Brasília (jan/2019)



Outro dia, na 1ª sessão de mentoria de uma cliente ouvi que se sente perdida profissionalmente. Embora goste do seu trabalho, das suas atribuições não sente que tem gerado os resultados que gostaria e por vezes se questiona sobre sua contribuição. Durante toda a sua fala ficou muito claro que ela sabe o quer mas o tempo todo está comparando-se com outros e a partir de opiniões diversas (familiares, gestores, redes sociais, grupos, amigos e colegas de trabalho) não tem encontrado o seu lugar no mundo. 

Saí daquela conversa me perguntando o que existe entre saber o que queremos e assumir esse movimento. Muitas vezes eu já soube o que queria, mas não assumia o movimento e seguia frustrada. Trabalhei com pessoas que não estavam alinhadas aos meus valores, mantive relacionamentos que não me faziam feliz e tive amizades que sugavam toda a minha energia. Em algumas situações demorei a reagir e tomar decisões e houve situações que esperei a vida se encarregar de tornar determinada situação insuportável. 

O que diferencia uma postura plena e segura daquelas envolvidas em medo, dúvida e insegurança? Particularmente penso que tem a ver com nutrição. Para trabalhar, correr, exercitar todos nós precisamos de nutrição e os alimentos fornecem a energia necessária. Mas será que nutrição é apenas física? É somente dessa energia que precisamos? Ou será que as pessoas também oferecem nutrição para o nosso dia a dia? Por exemplo, as pessoas que ouvimos, as palavras que lemos, as ideias que circulam nas redes sociais, jornais e revistas, as discussões que acontecem nos grupos do WhatsApp e outros meios de comunicação não têm nutrição e energia? 

Estou cada dia mais convicta que pessoas são tão importantes como o alimento diário que consumimos para estarmos nutridos. Em outras palavras, pessoas têm a capacidade de nutrir emocionalmente e mentalmente. 


Assim como os alimentos estragados nos fazem mal, pessoas, ideias e palavras podem nos contaminar e em muitas situações são âncoras que nos aprisionam em nossos medos e receios. Aqui não me refiro apenas a ter pensamentos positivos, mas atitudes e comportamento. É preciso cautela antes confiar totalmente em postagens e discursos infundados e  superficiais. É importante refletir que assim como fake News também há pessoas fakes. 

Eu não tenho dúvidas que com o advento da tecnologia, as relações estão mais próximas e mais fáceis, entretanto mais liquidas. 

Portanto, aprender a filtrar pessoas é também uma forma de nos mantermos nutridos daquilo que queremos e está alinhado aos nossos objetivos de vida e de carreira, e esse filtro deve ser uma das principais buscas que devemos promover em nossas vidas, pois assim como o alimento nos mantém vivos e saudáveis, pessoas podem nutrir as nossas almas. 

Quando cuidamos daquilo que consumimos e aqui refiro-me à pessoas, notícias, ideias, conceitos, informações e conteúdo, somos capazes de encontrar a força para agir e assumir o movimento que tanto queremos. E é partir desse mindset e nutridos com aquilo que verdadeiramente é bom que nosso mundo e nossa vida vai fazendo mais sentido. 

Então, deixo aqui algumas reflexões: 

Como você tem se nutrido? 
Suas relações te alimentam ou te adoecem?
O que você consome (conteúdo, notícias, informações e discussões) te energiza ou te enfraquece?
As palavras que tem replicado te empoderam ou te anulam?
você é uma pessoa que soma ou vampiriza o seu ambiente?

Parafraseando um grande líder e gestor que tive a oportunidade de trabalhar e é minha maior referência pessoal e profissional o mundo precisa de gente pra cima, com energia boa e boas intenções. E tenha certeza, o universo conspira a favor de quem não conspira contra ninguém.

Com carinho, 

Simara Rodrigues 


Nenhum comentário:

Postar um comentário