sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Que lembrança você tem deixado nas pessoas?



JL, como gosta de ser chamado, sempre foi um Executivo discreto, metódico, altamente diplomático e muito observador. Seu lado humano, foi sem dúvida um diferencial como líder e que inspirou muitas pessoas. Dele, guardo as melhoras e mais gratas lembranças. 

Ao longo de uma década tive a oportunidade de trabalhar ao seu lado, contribuindo e atuando como Secretária Executiva. Foi sem sombra de dúvidas uma parceria que deu muito certo. 

Mas nem sempre foi assim. Ao chegar na empresa JL já era executivo e tinha sua equipe. Eu fui contratada para Secretariar outro executivo. Sete meses depois a empresa anunciou a primeira das dezenas de reestruturações que participei. Com a reengenharia anunciada, cada filial contaria apenas com uma Secretária e infelizmente apenas eu permaneci. Ao mesmo tempo que dava graças a Deus, considerando o pouquíssimo tempo de empresa. Ali,  aprendi que o mundo corporativo é muito mais dinâmico e sagaz do que imaginava. 

Naquela época, eu romantizava as relações corporativas, foi então que entendi na prática o jargão: business is business! 

Ali a ficha caiu que para permanecer - E eu queria muito permanecer - não bastaria ser boa, era preciso ser a melhor que pudesse ser. Foi uma das épocas mais difíceis, principalmente pelo desafio de secretariar sozinha todos os Executivos de Brasilia e os "flutuantes" - nome que dávamos aos Executivos que eram da Matriz e vinham à Brasilia periodicamente - e com pouca experiência. Naquela época, eu era uma Secretária Júnior. 

Outro desafio foi conquistar a confiança de JL, afinal, ele não "me escolheu", não participou do meu processo, não sabia absolutamente nada sobre mim, meus valores, minhas habilidades e competências. Aos poucos, fui me aproximando, mostrando meu trabalho e conquistando sua confiança. Aqui vale ressaltar que confiança não se pede, se conquista e com ele não foi diferente. 

Com o passar do tempo fomos construindo uma parceria que por vezes parecia que eu tinha aquela tal bola de cristal que costumam dizer que Profissionais de Secretariado têm escondido. Era muita sincronicidadade!

Um dos executivos mais dinâmicos e que parecia estar ligado na tomada de 220 volts que eu já assessorei. As vezes penso que ele não dormia. Enviava mensagem antes de amanhecer e 00h ainda tinha disposição para enviar "torpedos" que depois foram substituídos pelas mensagens de whatsapp. 

Embora não ele seja jovem sempre foi altamente tecnológico, autodidata e inteligente. Ai de mim se não acompanhasse as evoluções dos serviços e tecnologia, pois mesmo sendo um líder preocupado com pessoas, não media palavras e broncas, quando preciso fosse. Era assertivo e pontual. Todos tremiam na base.   

Tive o privilégio de assessora-lo por uma década, além das dezenas de outros executivos que  passaram pela empresa e que simultaneamente assessorei. 

Executivos chegavam, saiam, mudavam de estado, de país, de área, de função,  mas sempre o assessorei. Algumas épocas como meu Big Boss, outras como mais um dos muitos executivos que o assessorava. Em média eram cinco executivos para cada Profissional de Secretariado. Seja como for, nossa relação sempre foi a mesma. O fato de por vezes ter mais ou menos poder nunca foi um termômetro da nossa parceria.   

Acompanhei seus filhos crescerem, irem embora, casarem, voltarem  e ainda hoje mantemos contato. O filho mais jovem, outro dia me encontrou e tive que me segurar para não trata-lo como aquele menino que ia ao escritório visitar o pai. Hoje, com a voz grossa prepara-se para ingressar no mundo corporativo. 

Já não trabalhamos juntos desde 2015, mas ainda mantemos contato e com o mesmo respeito e admiração lhe peço conselhos e orientação. Sempre que olho para trás, e faço isso com muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiita frequência, é inevitável não ser tomada por um sentimento de profunda gratidão pela oportunidade de aprendizado e crescimento que o Secretariado meu proporcionou. Tenho convicção que não teria tido as mesmas oportunidades exercendo outra profissão. 

Esta semana, nos encontramos - Eu, ele, sua esposa e uma amiga Italiana - para almoçar e conversar.  Dessa vez não falamos de negócios, de agenda, de pendências, de prazos, metas, clientes, feedback e preocupações, mas sobre a vida, viagens, experiências, família e matamos a saudade com presença. Foi sensacional e gratificante ouvi-lo me apresentar à sua amiga como seu braço direito e expressando carinhosamente elogios sobre o meu trabalho e a forma como atuei. 

Se há uma receita para essa parceria ouso dizer que foi dedicação, postura adequada, tempo e paixão pelo fiz. Pedras pelo caminho? claro que sim, mas elas nunca  foram capazes de invalidar minhas escolhas e o meu propósito. 

A medida que avanço na minha carreira, me convenço que não é o dinheiro, o glamour ou o poder que definem o nosso sucesso, mas a capacidade de tocar o coração de outras pessoas. Que lembrança você tem deixado nas pessoas? Pelo que as pessoas se recordam de você? Isso não tem preço e só é possível quando você está 100% comprometido em fazer e ser o melhor que puder.  

Com carinho, 

Simara Rodrigues,







Um comentário:

  1. Que bela mensagens, e tão lindo tão ter uma relação assim, de confiança e gratidão !

    ResponderExcluir