segunda-feira, 25 de junho de 2018

O que a Copa do Mundo nos ensina sobre imagem e reputação




A Copa do Mundo é sempre um momento de celebração entre as nações e de festejar com amigos e familiares, mas é também quando muitos perdem a noção do que é brincadeira e o que é desrespeito. 


Recentemente tivemos o desprazer de tomar conhecimento de vídeos que circularam pela internet de torcedores brasileiros na Copa do Mundo assediando mulheres com termos ofensivos. Para alguns, uma brincadeira boba, para outros reflexo e efeito do álcool e para muitos uma vergonha nacional. 

Seja como for, o  ocorrido vai totalmente na contramão do contexto atual discutido amplamente no Brasil e no mundo acerca da igualdade de gênero, respeito e diversidade. E não se trata de discurso feminista (embora carregue essa bandeira), mas de visão de mundo e sobretudo de educação. O que se espera, no mínimo, quando estamos na casa de alguém é que sejamos gentis e educados. E essa regra se aplica para qualquer situação e lugar no mundo. 

Fato é que temos boa fama mundo afora - apesar dos escândalos envolvendo políticos e empresários -   e certamente pelo clima tropical somos reconhecidos como um povo alegre, bem humorado, otimista e festeiro. Sabemos viver e comemorar como em poucos países. Digo isso com base nas minhas experiências e tendo visitado mais de 15 países. É incrível como conhecem nossa história, nossos hábitos, nossas regiões e nossas habilidades. O mundo nos conhece, embora acreditem que a capital do país seja São Paulo ou Rio de Janeiro. 

Ocorre que na era digital, tudo cai nas redes. Então, é preciso pensar nos impactos e consequências de nossas ações quando o assunto é carreira profissional e a imagem que queremos refletir. 

Não precisamos ir longe e falar apenas de Copa do mundo, mas pensar em nosso cotidiano, nas festas corporativas, festa de carnaval, de confraternização, happy hour e posicionamento nas redes sociais. Já vi muito profissional senior, se queimar e ser desqualificado pela falta noção e limites ultrapassados. 

Me lembro como se fosse hoje, na Copa de 2014, assistindo a um dos jogos em um camarote V.I.P com celebridades e atores globais, em que um dos convidados, ator amplamente conhecido pelos brasileiros, dava um vexame, assistido por todos ali presente. Totalmente alcoolizado agredia verbalmente os garçons e armava um verdadeiro "barraco" com a esposa. Desde esse dia nunca mais consegui admirar o seu trabalho na TV. O que comprova que educação e boas maneiras não escolhe classe social. 

Sempre me preocupei com a minha imagem, regra número um aprendida durante minha atuação como Secretária Executiva na área de Relações Institucionais em uma grande empresa. A Preocupação com a reputação dos colaboradores sempre esteve na pauta das reuniões e praticada pelo meu gestor imediato, que me ensinou o significado de credibilidade e imagem: "Simara, é preciso saber entrar e sair de qualquer ambiente com a mesma elegância. É isso que nos diferencia dos demais e valida o nosso trabalho". 

Comportamentos inadequados podem não só causar demissão por justa causa, a exemplo do ocorrido com os torcedores na Rússia, mas contribuir para o fracasso profissional - independente do segmento, da esfera de atuação e da formação. 

Quando a liberdade de expressão ultrapassa os limites do bom senso, é preciso rever alguns valores e principalmente o propósito de vida. 

Com carinho 

Simara Rodrigues


terça-feira, 19 de junho de 2018

Concurso para Técnico em Secretariado na Câmara Legislativa do DF


Olá pessoal, 

Compartilho post publicado no blog da Profa. Patrícia Ferreira sobre concurso para a Câmara Legislativa do DF. 

Com Carinho, 

Simara Rodrigues 



Olá Pessoal,


Para quem procura uma vaga de Técnico em Secretariado no serviço público aqui em Brasília, a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) é uma boa opção. Com inscrições que se iniciam em 25 de junho de 2018 até 25 de julho para esse concurso público. 

Os requisitos básicos:

Certificado de Conclusão do Ensino Médio devidamente registrado;
Certificado de Conclusão de Curso Técnico em Secretariado;
Registro da Secretaria Regional de Trabalho.

A CLDF disponibiliza uma vaga para esse cargo com remuneração inicial de R$ 10.650,18 (dez mil, seiscentos e cinquenta reais e dezoito centavos, com regime de trabalho de 30h semanais.

As provas serão feitas em três etapas:

Prova objetiva;
Prova discursiva;
Prova prática.

Para mais informações acessem: www.concursosfcc.com.br


Fonte:
http://estiloexecutiva.blogspot.com/




domingo, 17 de junho de 2018

Mentoria e Consultoria com Simone Reis - Parte 2




Outro dia li a seguinte frase: "Algumas pessoas são tudo que a gente precisa saber sobre amor" e imediatamente fui tomada por um sentimento de gratidão pelos amigos e pessoas que fazem parte da minha jornada,  isso porque os relacionamentos fazem parte dos meus valores e verdadeiramente acredito no poder nas relações e na capacidade que temos de aprender, crescer e nos transformar a partir das nossas relações. 

Ao longo da minha jornada, tenho conhecido e me conectado com pessoas incríveis e totalmente alinhadas aos meus valores. E como é maravilhoso caminhar nessa vibração e energia. 

E graças a essa energia conheci Simone Reis e sigo encantada com sua generosidade em compartilhar conteúdos e informações tão relevantes para a profissão.  É admirável sua dedicação e tempo, ou você acha que é fácil fazer todo o trabalho de gravação e edição de vídeos, arte, confecção de artigos, preparação de um site e etc? É trabalho de profissional e há muito amor envolvido. Simone é o tipo de pessoa que me faz acreditar em um mundo e uma profissão melhor. 

Abaixo, compartilho a 2a parte do vídeo gravado por Simone - Ela do Chile e eu de Brasilia - no qual seguimos falando sobre mentoria, consultoria, carreira, utopias, verdades e mitos sobre a profissão de Secretariado. 

Eu desejo que nossas reflexões possam contribuir para um novo olhar não só sobre a profissão, mas sobre escolhas e objetivos. 

À Simone Reis, meu mais  sincero agradecimento pela atenção, carinho e todo aprendizado. Foi maravilhoso estar com você. Eu gostaria de ter conhecido mais profissionais como você no inicio da minha carreira. 

Com carinho,

Simara Rodrigues





Acesse o canal da Simone, deixe seu comentário e contribua com o trabalho que ela vem realizando em prol da profissão. 

Para acompanhar o Secretariado com Simone: 
✻ Visite nosso site: http://www.secretariadocomsimone.com 
✻ Participe no Facebook: http://www.facebook.com/secretariadoc... 
✻ Acompanhe o Instagram: http://instagram.com/secretariadocoms... 
✻ Siga o perfil da Simone no LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/simonereis/ 
✻ Acompanhe o canal no Youtube: https://www.youtube.com/secretariadoc... 
✻ Envie um e-mail: contato@secretariadocomsimone.com

segunda-feira, 4 de junho de 2018

A prática de Yoga e a sua carreira




Como costumo dizer e parafraseando o autor T. Harv, a maneira como você faz uma coisa é a maneira como você faz todas as outras. E assim comparo a prática de Yoga à carreira profissional. 


Como já andei mencionando aqui no blog a minha meta de ouro deste ano é a minha saúde. Por anos negligenciei este aspecto que embora de forma consciente, considerando minha agenda insana, me entristecia e me preocupava, afinal, nosso corpo é templo de Deus. 

Todos os anos eu escrevia nos meus cadernos de planejamento: praticar atividade física, mas o máximo que conseguia era correr uma vez por mês. Sempre me dei prazos e com esta meta não foi diferente. E assim, fui aprendendo a deixar ir algumas coisas que já não faziam mais sentido - o que  não significa que não são importantes, só não faziam mais sentido. E aos poucos tenho me permitido viver um novo ciclo - mais tranquilo, mais leve, mais saudável e mais alinhado aos meus objetivos de vida e de carreira.  

E a partir dessas decisões, tenho conseguido me exercitar 5 vezes por semana, alternando minhas atividades entre boxe, musculação e yoga. Gosto dessa dinâmica, sem rotinas, sem mesmice. Nada mais mortal que a mesmice. Deus me livre! 

Hoje na aula de yoga, enquanto meus colegas literalmente viravam de cabeça para baixo durante um movimento chamado de "invertida sobre a cabeça" ou Sirsasana, eu muito modestamente me limitava às práticas básicas como postura do guerreiro, postura do cachorro, etc. Foi desafiador sentir meu corpo travado e sem a mesma elasticidade dos meus colegas. Tudo parecia mais difícil, mais complexo, quase impossível. O professor, um homem de aproximadamente 35 anos, parecia o homem-elástico e sorriu e disse: "quero ver você fazendo a invertida. Vamos treinar". 

Tudo é treino, disciplina e hábito. Ninguém acorda e faz uma prática de Yoga sem antes conhecer os movimentos básicos, as regras mais simples. É preciso aprendizado e também observação. Aprender observando os mais experientes.  Exatamente como a nossa carreira. E não adianta forçar a barra e tentar fazer algo sem o devido preparo, conhecimento e condicionamento. 

Tentar fazer uma invertida sem desenvolver posturas mais simples e mais básicas, certamente me trariam algumas lesões. Quizá um pescoço deslocado. 

Na carreira não é diferente. Para você conseguir executar uma atividade com excelência é preciso treino, dedicação e paciência. Respiração, concentração e determinação, exatamente como na Yoga. 

É claro que vou conseguir fazer a invertida. Eu não duvido da minha capacidade. Principalmente porque eu quero fazer, porque me sinto bem, porque sinto prazer. Ingredientes fundamentais para o êxito de qualquer coisa na vida - Querer fazer e paixão pelo que faz! 

O que a aula de yôga me ensinou hoje sobre carreira é que tudo o que você aprende e faz durante a sua trajetória é a construção da carreira pretendida. Para os praticantes de Yoga o ponto alto é encontrar o equilíbrio, melhorando o estado físico, mental, psíquico e espiritual. O que faz muito sentido quando pensamos em carreira e sucesso. Você concorda?

Um livro que recomendo sobre o assunto é Yoga para Nervosos, do Prof. Hermogenes, percursor do Yoga no Brasil e pioneiro na apresentação da prática como possível terapia. Li pela primeira vez esse livro em 2015.  Ganhei de aniversário de uma grande amiga e foi, sem dúvida, um dos melhores presentes que eu poderia ter desejado. 





Vaga para Instrutor na área de Secretariado

Instrutor de Programa de aprendizagem Profissional
(v1709333)

Código da vaga:v1709333
Nível hierárquico:Júnior/Trainee
Local:Brasília / DF / BR
Quantidade de vagas:10
Data de expiração:04 de Julho de 2018

Pré-requisitos:
Experiência na área

Escolaridade: Ensino Superior em andamento Pedagogia, Administração, contabilidade, Letras, Secretariado executivo.

Atividades: 
Atuar atividades de sala de aula com ensino médio, cursos livres e profissionalizantes (pedagógico e administrativo) e um ambiente favorável ao desenvolvimento do processo educacional.

Necessário:

Outras características: visão social do publico atendido, ética, foco no resultado, inovação e criatividade, respeito a diversidade, foco no cliente . É importante que o candidato tenha conhecimento de rotinas administrativas e conhecimento de informatica alem do básico. Tenha conhecimento de rotinas escolares: preenchimento de diário, avaliação dos alunos , relatórios mensais e elaboração de plano de aula.

Conhecimentos:  
Atendimento ao Público
Informática (Nível Intermediário)
Orientação Disciplinar
Rotinas Educacionais

Competências e Características desejáveis.

Solução de problemas e tomada de decisão
Flexibilidade
Capacidade de trabalhar em equipe
Visão sistêmica (do todo)
Visão estratégica (do futuro)
Adaptabilidade a mudanças
Falar em público
Interpessoal e de comunicação
Agilidade na execução do trabalho
Trabalhar sob pressão
Resolução de conflitos
Planejamento e organização
Raciocínio lógico
Energia, garra
Iniciativa / pró-atividade
Controle emocional

FONTE:

www.vagas.com

domingo, 3 de junho de 2018

Mais recursos, melhores resultados, certo? Errado! Vem entender!


Olá Pessoal, 


Li recentemente o artigo abaixo e como o que é bom a gente compartilha, deixo aqui o blog a sugestão de leitura da semana. 


Mais recursos, melhores resultados, certo? Errado! Vem entender!

Quantas vezes você já não usou o argumento de “falta de recursos” como justificativa para uma meta não atingida, uma ideia que não saiu do papel ou até mesmo aquela viagem que não aconteceu? Dinheiro, tempo, equipe, conhecimento, entre outros itens, são sempre escassos frente as nossas necessidades e daquilo que entendemos como ideal diante dos nossos desafios, certo? Não para Scott Sonenshein, autor do livro “O poder do menos: o segredo da alta produtividade”, considerado por ninguém menos que Jim Collins como provocativo e criador de um desconforto construtivo.

Sua obra, que tem Stretch como título original, defende a “mentalidade elástica”, definida pelo autor como:

“Um conjunto de atitudes e habilidades que se aprende e sua origem está em uma mudança simples, mas poderosa: deixar de querer mais recursos e agir de acordo com as possibilidades proporcionadas pelos recursos já disponíveis”.

Uma forma de exemplificar a teoria do autor é imaginar que precisamos pregar um prego na parede, mas não temos um martelo. Segundo Sonenshein, a maior parte do nosso tempo e energia é gasta procurando por ferramentas, e não batendo os pregos na parede. Sem a ferramenta certa, ficamos perdidos. Quando os outros têm ferramentas melhores, não só nos sentimos mal como também concluímos que não conseguimos fazer o que é preciso com uma caixa de ferramentas mal-equipada.

Na opinião do autor, as pessoas que esticam os recursos rotineiramente, que ele chama de esticadores, exploram o que mais podem fazer com o que têm, em vez de perguntar o que está faltando.

“Minha pesquisa explica como pessoas e organizações podem expandir seus recursos para obter grandes conquistas e sentirem-se realizadas – como podem tornar-se elásticas – seja adaptando-se a mudanças importantes, realizando rotinas diárias ou construindo carreiras e vidas significativas”.

O oposto do esticador é o perseguidor, pessoa que sempre busca mais recursos e têm dificuldade de fugir da máxima “mais recursos, melhores resultados”. Segundo Sonenshein, essa abordagem é intuitivamente reconfortante. A relação parece natural: quanto mais você tem, mais pode fazer e melhor vai se sentir. 

Porém, por mais que esse sentimento seja sedutor, ele falha em produzir melhores resultados porque nos leva a procurar recursos de que não precisamos e a não prestar atenção ao potencial dos recursos que já temos.

Arrisco dizer que sou uma esticadora, até porque 100% da minha experiência profissional foi construída em startups e scaleups, ambientes em que a escassez de recursos é premissa de trabalho. A verdade é que montar quebra-cabeças faltando peças é uma das coisas que eu mais gosto de fazer, pois liberta meu potencial criativo e me obriga a olhar os problemas por novas perspectivas.

Gabrielle Teco, Head de Vendas, Marketing e RH na Gesto Saúde e Tecnologia