quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Como uma maçã influenciou a minha rotina de trabalho


Uma das melhores coisas que aconteceu nas duas últimas décadas foi a chegada de novas formas de consumo de conteúdo e informações, contribuindo para uma realidade que para muitos estava apenas em filmes, seriados e jogos. Uma revolução tecnológica  e um verdadeiro desafio para aqueles que buscam seu espaço no mercado de trabalho. 

Para quem é da minha geração deve lembrar como era a rotina de trabalho, sem algumas tecnologias que temos incorporadas ao mundo corporativo atualmente como cloud computing, WhatsApp, Google Chrome, salas de tele-presença, data center, soluções integradas, serviço de Data Center e por aí vai. Quando você pensa que sabe tudo, vem uma nova forma de atuação, sempre mais veloz e dinâmico. 

Parto de um mundo em que utilizava o telefone para falar e enviar SMS de texto para um mundo em que a única coisa que ouve minha voz é a Siri ou o Google. Atualmente falamos com o telefone ao invés de falar ao telefone.

Ao longo da minha carreira fez parte do meu job description conhecer novas tecnologias, principalmente relacionadas à smartphones. O que para alguns pode ser um objeto de ostentação e luxo, no mundo que vivo e vivi sempre foi uma ferramenta poderosa de trabalho. 

Transações bancárias, Conference call, vídeo-conferência, transferência de ligações via celular, gravação de vídeos em alta resolução, rastreador, mapas, localizador, cotação de moeda em tempo real, aplicativos de viagens, hospedagem, comparativo de preços, plataforma de currículo, organizador de tarefas, controle de empreendimentos, solicitação de transporte, drive de armazenamento de fotos, dados, planilhas e informações, Scanner, acompanhamento de investimentos em tempo real, gravador, tradutor, localização de contatos de autoridades públicas, calendário sincronizado com agendas, contatos sincronizados com PC, idiomas, criação de cards, scan de cartões de visitas, entrevista de emprego, diário de bordo.... Resumidamente, o mundo na palma da mão, em qualquer lugar e hora. Atuar como Secretária Executiva me trouxe grandes desafios e um deles, foi acompanhar o ritmo acelerado do mundo e dos Executivos que assessorei. 

Certa vez, me deparei com uma situação inusitada e engraçadíssima. Entre outras atividades, a configuração dos celulares que seriam testados e utilizados por mim e pelos diretores que assessorava estava entre às minhas funções de rotina. Antes mesmo dos aparelhos serem comercializados fazíamos a "degustação do produto", avaliando sua utilidade, eficiência e eficácia. Todas as vezes que recebia um aparelho novo, cabia a mim realizar todo o processo de sincronização (calendário, contados, dados pessoais, notas, senhas, etc). Por que essa atividade não era realizada por outra pessoa? Como eram informações confidenciais os Executivos delegavam à mim, considerando o sigilo das informações, tal demanda. Com o tempo se tornou algo muito simples e interessante e eu gostava de conhecer e aprender. 

Até que em 2007 surge uma maçã, cuja promessa era a chegada de um novo conceito - mais rápido, com uma internet veloz e designer revolucionário. Naquela época, o mercado era dominado pela  Nokia, Samsung, Sony Ericsson, BlackBerry e Motorola e por mim, que conhecia tudo sobre os aparelhos. Se você viveu nessa época é muito provável que tenha tido ou sonhado com um Motorola V3, Nokia N95 ou N8, Samsung com Windows e teclado físico. 

Eis que recebo a tão esperada maçã e como de costume precisava deixar tudo pronto para entregar aos executivos que secretariava, ensinando as facilidades e manuseio. Tela de 3,5 polegadas, câmera traseira de 2 MP, 8 GB de armazenamento, 128 MB de RAM e com conexão GSM e EDGE. 

WOW! era lindo! 

Abri a caixa e fui logo buscando a bateria para ligar o aparelho e inciar as sincronização, descrição do IMEI e configurações. "O celular veio sem bateria. Deve ser sido extraviado. E agora?" - Soltei essa pérola na minha estação de trabalho e imediatamente fui pedir ajuda a um dos executivos. Ele olhou, revirou a caixa, revirou a aparelho  e nada. "Fala com o pessoal da TI e pede ajuda". E assim fiz. 

Jobs, me ajuda! recebi os iphones, mas estão sem bateria. "Simara, a bateria do iphone vem embutida, respondeu meu colega sorrindo. Aproveitei para perguntar como inseria o chip - o que foi outra descoberta. 

Enquanto aprendia e manuseava o aparelho, que foi nesse caso, foi auxiliado pelo Diretor, nos sentíamos verdadeiros primitivos, vendo pela primeira vez o fogo. Pérola que vai para as histórias que temos para conta. (risos)

De lá para cá, temos acompanhado o Google apresentar o Android em novas versões e tantas outras tecnologias e informações. Impossível saber tudo o tempo todo. 

Atualmente o que faço para me manter atualizada e conectada a este mundo cada vez mais tecnológico é aprender com a nova geração, que já nasceu com o dedo no touchscreen.  É maravilhoso perceber que o futuro reserva evoluções tão ou mais importantes do que as que tivemos na última década. Eu adoro pensar que aquilo que víamos apenas em vídeos, desenhos e propagandas futuristas hoje é uma realidade. 

Desde que ingressei na docência tenho alertado meus alunos sobre a necessidade de estar preparado para os novos tempos, ressaltando que a inovação e a tecnologia irão guiar os próximos passos do mercado e das profissões. 

O alerta permanece para aqueles que desejam se inserir e se destacar neste mercado cada vez mais volátil e disruptivo, isso porque sabendo identificar as informações, as ferramentas e conceitos que agregam valor às empresas e ao negócio, os profissionais têm a capacidade de se manter competitivo, influenciando e contribuindo com a estrutura organizacional, em qualquer segmento de atuação. 

um abraço, 

Simara Rodrigues  




BlackBerry


Nokia N95


Geração de Iphone

Nenhum comentário:

Postar um comentário