segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Secretariar com afeto




Ontem recebi uma ligação de um executivo que assessorei há alguns anos, me solicitando uma gentileza. Na verdade, nunca perdemos contato e vira e mexe nos falamos, seja para compartilhar uma boa notícia, para pedir algum conselho - sim ele continua sendo meu mentor - ou por ocasião de alguma data comemorativa. Foi com ele que aprendi a diferença, na prática, entre um líder e um chefe. 

Ele faz parte do rol de executivos mais influentes, respeitado e referência no mercado que já trabalhei e não só por isso, mas por habilidades que admiro, valorizo e respeito, sobretudo por sua capacidade de liderar de forma humanizada estará no livro que pretendo lançar em breve. 


Há 10 anos leciono a disciplina de Técnicas Secretariais, o que exige muita atualização e olhar atento para as técnicas e inovação do mercado e a única coisa que nunca mudei e continuo pregando em sala de aula é a necessidade de secretariar com afeto. 

Quem secretaria com afeto é capaz de atuar de forma singular, isso porque Secretariar requer muito mais que técnicas. Afinal, qualquer indivíduo é capaz de atuar a partir da realização de cursos, treinamentos, especializações e aprendizado, e embora uma coisa não desabone a outra, para atuar de forma humanizada, diferenciada e com excelência é mandatório amorosidade - no discurso, na escuta, no comportamento e na postura - E esta regra vale para todas as relações. 

As pessoas, com muita frequência, me perguntam qual é o segredo do sucesso e não tenho dúvidas que antes das habilidades técnicas foi preciso esse despertar. Afinal, como posso desenvolver uma parceria de sucesso com o meu gestor e grupos de trabalho se não sou capaz de atuar com amor, respeito e afeto? 

E o que tem a ver a ligação de ontem com este discurso?

Esse executivo poderia ter contatado qualquer pessoa no planeta para solucionar o seu problema, mas foi a mim que ele recorreu. E essa relação de confiança, parceria e cumplicidade só existe porque no passado foi evidenciada em minha atuação, não somente como uma profissional capaz de desempenhar suas habilidades de rotina, mas pela capacidade de ir além, atuando com empatia, respeito, dedicação e amor pelo que faz. 

Dormi com o coração leve, nostálgica e agradecida por ter desempenhado muito mais do que fui paga para fazer, afinal afeto não tem preço e a gente colhe os frutos pro resto da vida! 

Portanto, a diferença entre uma pessoa realizada, profissionalmente e pessoalmente, e uma pessoa frustrada, não é a falta de conhecimento e oportunidades, mas sim a falta de vontade. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues




2 comentários:

  1. Isso aprendi com você Simaria,e vou levar pra vida toda,onde chego dou exemplo da minha professora Simaria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, Fico feliz que tenha plantado essa sementinha, que só foi possível florir porque você cultiva amorosidade pelo que faz. um forte abraço.

      Excluir