segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Aprendendo a ressignificar




2017 vai chegando ao final e minhas reflexões seguem a todo vapor, em parte porque foi um ano de muitas realizações, desafios e descobertas. 

Foi um ano que, para mim, começou “bad” e com algumas crises existenciais. Afinal de contas, quem sou? Qual o meu papel nesta vida, será que fiz escolhas certas? Eu me sinto feliz? O que eu preciso aprender com tudo isso? O que me motiva? O que me inspira? Estou no caminho certo? É isso mesmo que eu quero? E se der errado? 

Foram momentos que tive dúvidas sobre algumas escolhas e me senti triste e frustrada com alguns resultados. Cheguei a questionar se o preço pago - e caro - para uma transição de carreira tinha valido a pena.

Mas diante de todas as minhas dúvidas tive ao meu lado pessoas empoderadas, que me apoiaram e que contribuíram para que aprendesse a ressignificar muitos sentimentos, medos e emoções. 

Tive minha fé fortalecida e descobri habilidades que sequer conhecia. Botei a cara à tapa, sem medo de me expor, sai - de novo - da zona de conforto e mergulhei de corpo e alma em meus sonhos, exercitando a minha capacidade de criar e inovar com muita disciplina e foco. 

Reconheci e aceitei que sou imperfeita e que tentar agradar os outros o tempo todo é uma grande perda de tempo e de energia.  E não é isso não me faz mais respeitada, reconhecida e realizada. De vez em quando é preciso ligar o botão do %$#$-*&. 

Entendendo que não sou de ferro, não sou a mulher maravilha e que sou um ser humano como todo e qualquer outro - com falhas, emoções e necessidades -  fui capaz de dedicar mais tempo à minha família e estar de fato presente. 

Reconheci que era preciso me afastar de algumas pessoas que não estavam alinhadas ao meu propósito de vida, o que abriu espaço e energia para a chegada de anjos, em forma de seres humanos, enviados por Deus a mim. 

Quanta gratidão! Quanta força e energia isso me trouxe. Esse filtro - de pessoas, pensamentos e emoções- é libertador. 

2017 foi um ano desafiador e emoções foram compartilhadas em forma de pensamentos, posts, lives, treinamentos e vivências. Aprendi mais sobre mim, sobre minhas limitações e minhas potencialidades. Novos projetos começaram a ser desenhados a partir dessas inquietações, novos rumos estão criando forma, possibilidades jamais cogitadas começaram a aflorar e o Ano vai deixando saudade, alegria e muitas gratidão. Quantas emoções foram trabalhadas neste ano! 

Que 2018 venha com a mesma intensidade, positividade, abundância, prosperidade e que eu possa continuar crescendo, aprendendo e sendo instrumento de transformação na vida de outras pessoas. 

Com carinho 

Simara Rodrigues 

Nenhum comentário:

Postar um comentário