quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Sobre ganhos e perdas


Diariamente realizo um exercício no qual contempla responder a seguinte pergunta: Quais foram os ganhos de hoje? Geralmente as respostas são anotadas no meu diário de bordo, um caderno que carrego comigo, em que anoto este exercício e algumas reflexões e metas. Para mim, é uma forma de reconhecer e agradecer minhas conquistas e também de refletir sobre alguns aspectos da minha vida. 

Hoje, por volta das 22:30, resolvi fazer esse exercício enquanto fazia meu trajeto de volta para casa. Como estava dirigindo, não anotei. Apenas refleti. 

Pois bem. Nesta madrugada, decorrente da forte tempestade que aconteceu em Brasília, minha casa foi alagada. Era por volta de 01:00 da manhã quando ouvi um forte barulho de água descer pelas paredes do meu quarto e pelas saídas de luz, o que de repente se repetiu no banheiro e no closet. Tuuuuuudo molhado: roupas, sapatos, malas, roupa de cama, documentos, fotos... 

Em questão de minutos a água começou a expandir para os demais cômodos, jorrando toda a água para os cômodos do piso inferior. Imediatamente começamos a retirar os móveis do quarto, tentando, amenizar parte do prejuízo e em paralelo puxávamos toda a água que a esta altura já preenchia a sala e ambientes do térreo. Os cachorros ficaram agitados com todo o movimento e com a bagunça gerada. Que caos! Foi preciso solicitar apoio de amigos que em plena madrugada se solidarizaram e foram nos ajudar. Um deles subiu na laje e constatou que uma das calhas estava entupida, por isso a inundação. Vamos combinar, amigos são anjos enviados por Deus. 

Avaliar quais foram os ganhos do dia, diante de todo prejuízo material, emocional e financeiro foi um desafio. Mas ainda assim, me permiti fazer a atividade que me proponho diariamente. E aos poucos fui reconhecendo os ganhos do dia, apesar do ocorrido. 

Como dormi tarde, por volta das 04:00 da manhã, perdi o horário de trabalho. Acordei 08:00 e imediatamente enviei uma mensagem para o grupo de colegas do trabalho. E como esperava, foram muito empáticas e solidárias. Eu verdadeiramente me sinto afortunada por trabalhar com pessoas tão humanas, e isso faz muita diferença. Por volta das 09:00 já estava no trabalho. Foi um dia muito produtivo, realizei importantes entregas e finalizei os últimos detalhes de um importante projeto que acontecerá nesta semana e que envolve todos os colaboradores da empresa. No final do expediente uma colega gentilmente se reuniu com a equipe para multiplicar o conhecimento de um curso super interessante que participou e que contribuirá para as nossas atividades, mas sobretudo, para a nossa vida. Isso é um grande ganho, trabalhar com gente que gosta de gente e tem paixão pelo que faz. 

Já no 2º round, parti para a Universidade. Hoje tínhamos grupo de estudo e foi maravilhoso discutir o tema elegido com alunas tão especiais e engajadas. Na sequência, realizei reunião com o professor responsável pelas Bancas de Trabalho de Conclusão e ainda rimos um pouco ao compartilhar alguns projetos pessoais futuros que coincidentemente estamos programando. Sincronicidade pura. Na coordenação atendi alguns professores e alunos e encerrei meu dia de trabalho conversando com um aluno que admiro e que passaria horas conversando. Que dádiva é estar rodeada por pessoas que nos enriquecem com suas palavras, gestos e ações que nutrem nossos sonhos. 

Somente no trajeto me dei conta que voltar para casa significaria contabilizar parte do prejuízo, ao mesmo tempo que agradecia por ter uma funcionária tão dedicada, que enquanto eu estava fora, cuidava carinhosamente de toda a organização e logística, me mantendo informada de todos os procedimentos que estava tomando. Ufa, eu não teria que me preocupar com isso! 

Dito e feito. Cheguei em casa e a escada, agora com uma nova função - de varal - recebia algumas roupas encharcadas pela água. Não teria tido uma ideia melhor. E já com o quarto de hóspedes preparado com alguns itens pessoais, carinhosamente organizado para mim, tomei meu banho e comecei a escrever este texto. Cansada, mas feliz. Porque os ganhos foram muitos: Estou viva, eu e minha família gozamos de muita saúde, trabalho com pessoas especiais e amo tudo o que faço, o que ameniza os aborrecimentos que fazem parte do cotidiano de todos os indivíduos. 

Felicidade certamente seja isso, saber canalizar a energia e potencializar aquilo que é importante, o essencial. Eu posso ficar triste, preocupada, chateada mas também posso ressignificar esse sentimento e reconhecer que apesar de tudo, há muito o que celebrar e aqui não me coloco numa postura de "síndrome de Poliana", mas reconhecer o que é realmente importante faz toda a diferença, e é exatamente este comportamento que difere as pessoas e a forma como encaram a vida. 

É possível que leve algum tempo para que minha casa fique organizada e tudo volte ao normal, mas o mais importante é saber que estou viva, para continuar ao lado daqueles que amo e fazendo o que enche meu enche meu coração de gratidão. 

É claro que tive ganhos hoje! 

Carinho, 

Simara Rodrigues,

8 comentários:

  1. Que exemplo! Por isso e muitas outras coisas, desde sempre tem minha admiração e carinho! Beijos e Que Deus abençoe grandemente sua vida e seus objetivos hoje e sempre!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Itala, Quanto tempo e quanta saudade. Obrigada pelo carinho sempre presente. um forte abraço,

      Excluir
  2. Lindas palavras, quanta sabedoria diante das adversidades da vida! Exemplo!
    Deus te abençoe Simara!!

    ResponderExcluir
  3. Simara, sempre sábia em todas as atitudes que precisa lidar ! minha admiração sempre !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nayara, obrigada por me motivar sempre. Ontem lembrava de você enquanto tomava chá na minha caneca. :)

      Excluir