quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A tecnologia e o trabalho: como será essa relação no futuro?



“A tecnologia chegou para ficar e os profissionais precisarão se adaptar o quanto antes!”

A tecnologia tem mudado em muito a maneira como as pessoas vivem. 


Conversar com um familiar, ler uma notícia ou até mesmo se divertir não são feitas da mesma forma depois da inserção dela nas nossas vidas. E no ambiente de trabalho não poderia ser diferente.


Muitas profissões estão tendo que se readaptar, reorganizar e se adequarem às novas tecnologias. Definir a importância do trabalho e o seu lugar neste ambiente tecnológico é um dos principais tópicos quando se discute o futuro do trabalho.

Pesquisa realizada pela ADP, a Future of Work, entrevistou mais de 2 mil pessoas que trabalham em empresas com 250 ou mais empregados no Brasil e em países como:

Estados Unidos
Canadá
México
Chile
Reino Unido
França
Alemanha
Holanda
Austrália
China
Índia
Cingapura.

E ficou evidente que a transformação digital vai impactar tanto a maneira como os funcionários interagem quanto nas ferramentas que usam para trabalhar. Mesmo que esses recursos mudem de acordo com a região, setor ou cargo, algo é claro:

Todos precisarão se adaptar o quanto antes!

Parafusos e a tecnologia

Aposto que se você jogar no Google as palavras “linha de produção e fábrica” vão aparecer imagens de plantas lotadas de robôs e com poucas pessoas. Pois é! E essa realidade está cada vez mais presente nas indústrias. Funções repetitivas, ou até mesmo aquelas que exigem um esforço físico maior já estão sendo substituídas por robôs ou por Inteligência Artificial.

Apertar parafusos, encaixar objetos e encher frascos já não são mais funções executadas por pessoas. E isso é bom! As pessoas poderão passar a se dedicar a coisas que realmente gostam e que exigem raciocínio lógico, e não a trabalhos mecânicos. Relatórios, criações e relações de trabalho mais parecidas com nossa própria vida: é assim que será a rotina de trabalho do futuro.

É hora de sermos criativos!

Em um futuro no qual funções mecânicas, em sua maioria, serão absorvidas pela tecnologia, a criatividade será cada vez mais demandada. Incentivar ideias inovadoras, organizar reuniões de brainstorm e focar em conteúdos que exigem raciocínio lógico serão a chave para motivar a equipe e atingir resultados.

É fato: a tecnologia é uma importante ferramenta. Aproxima quem está longe por meio de aplicativos de celular, moderniza o transporte e evolui as pesquisas na área da saúde. Mas quando o assunto é trabalho ela pode assustar. Vamos perder empregos? Seremos substituídos por máquinas?

O importante é ter em mente que a Inteligência Artificial está aqui para nos auxiliar, e o principal, ela nunca vai substituir nossa criatividade. Os computadores apenas detectam erros e cabe a nós tirar desses erros saídas para outros caminhos.


Fonte:

https://www.blog.adp.com.br/tecnologia-trabalho/

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Conheça o Secretariado com Simone

Embora tenha uma rotina bem dinâmica, sempre reservo um tempo para navegar na Internet, com a expectativa de conhecer melhores práticas, conceitos, tendências e sobretudo PESSOAS. Pois é é quando concentramos a nossa energia naquilo que nos inspira e motiva que temos a oportunidade de nos desenvolver e caminhar de acordo com o nosso propósito. 

E foi assim que cheguei até o Secretariado com Simone.

Particularmente estou encantada com o conteúdo e material compartilhado pela Simone. A leveza com que conduz os temas e seus posts em suas redes sociais me inspiram e motivam.

Espero que o conteúdo possa agregar valor aos leitores do Secretariar é uma arte, na mesma proporção com que tem agregado a mim. 


Com Carinho, 


Simara Rodrigues 


“Networking e Propósito

Por Simone:

Como você sabe, o Secretariado com Simone esteve na CONASEC 2017 e, conforme prometido, estou trazendo para você no artigo desta semana uma curadoria do que foram para mim alguns dos melhores insights, aprendizados e experiências deste evento, realizado em São Paulo, no dia 6 de outubro.

Além da oportunidade incrível de participar deste evento enriquecedor que abordou temas relevantes, atuais e pertinentes para a nossa profissão e carreira, foi um enorme presente conhecer pessoalmente muitos integrantes da nossa comunidade de secretariandos! Abraçar, tirar fotos, bater papo, trocar figurinhas, almoçar e tomar cafezinho com gente querida com quem troco e-mails e converso nas mídias sociais foi muito energizante e gratificante, além de reencontrar colegas queridos! minha eterna gratidão à Minder e à Stefi Maerker pela oportunidade de estar presente neste evento!

Pois é, eu já comecei o artigo indo direto ao ponto, compartilhando com você uma das melhores coisas deste evento: networking e propósito, que foi inclusive o tema de uma das palestras ministradas.

Fernando Maskobi, Diretor Financeiro do Walmart e-Commerce nos mostrou que precisamos ressignificar o networking para que ele tenha real valor, construindo relações com propósito, para ter conexões valiosas. Como ele disse, “o networking deve vir de um lugar sincero, o networking falso nao cabe mais na minha agenda”. Pois eu digo que na minha agenda também já não cabe mais. E na sua? Em minhas experiências profissionais nos últimos anos eu tenho investido em relacionamentos verdadeiros, em parceria e colaboração genuínos, e isso me rendeu frutos maravilhosos!

Mas o que isso quer dizer? É simples: estamos falando aqui da diferença entre construir relações verdadeiras, que são baseadas na confiança, no propósito e na verdade, versus construir relações falsas, do “tradicional networking”, baseadas no medo, na angústia e na mentira.

“Your vibe sets your tribe”

A sua “vibração” determina a sua tribo. Sim, este foi outro insight valioso desta palestra. Qual frequência emitimos para o mundo? Quando Maskobi perguntou “o mundo corporativo te parece um caos?”, muitos que estavam na sala disseram que sim. E a resposta veio cortante: “nós somos o mundo corporativo – ele é o NOSSO REFLEXO!”. Sim, o caos está em nós mesmos. 

Aqui no Secretariado com Simone nós já conversamos várias vezes sobre a importância da colaboração e da vulnerabilidade como forma de trabalhar o nosso desenvolvimento pessoal, profissional e atingir melhores resultados (aliás, se você ainda não viu, dê uma olhada aqui. Então você deve imaginar como eu fiquei feliz ao escutar uma mensagem que reforça esta lição que eu aprendi ao longo da minha carreira profissional! Quando mostramos a nossa vulnerabilidade, geramos empatia e conexão com gestores e colegas – conexão de verdade, que constrói relacionamentos verdadeiros!

“Ah, Simone! Isso nao existe no mundo real!”. E se eu te disser que precisamos ponderar e perceber o impacto que podemos causar na vida dos outros? E se nos esforçarmos para fazê-lo de forma positiva e consciente? Investir o nosso tempo para nos doarmos no networking – doar o nosso tempo, nossos recursos, nosso discurso e experiência – de forma a não apenas o usar o networking como uma “fonte de onde sugamos o que precisamos”, mas como um espaço onde podemos contribuir, construir e, finalmente, co-criar!

Isso não é uma tarefa difícil, é leve, fácil, é possível! E o melhor: pode ser retroalimentado. A mudança começa em cada um de nós! Uma atitude genuína minha e sua, que agregue valor para alguém do nosso convívio profissional, pode gerar uma onda positiva que colaborará para que o networking de propósito seja cada vez mais praticado e tido como valioso. Falando assim já não parece mais tão utópico, não é mesmo? 

Que sejamos cada dia mais motivados a construir uma rede onde o suporte, a abundância, a aceitação, a inclusão e a liberdade de ser sejam valorizados. Eu já tive a oportunidade de trabalhar em lugares onde as relações de trabalho eram baseadas no medo, no individual e no julgamento, e posso afirmar que foram os piores ambientes onde já estive; nos quais a criatividade, as boas relações e até mesmo a tradicionalíssima e tão almejada produtividade eram prejudicadas e podadas. É um jogo onde ninguém ganha.

Para finalizar, deixo aqui uma citação também usada na palestra do Maskobi para a nossa reflexão: “a felicidade pode ser mensurada pela qualidade das nossas relações”. Quantas horas da sua vida você passa no trabalho? Será que vale a pena o esforço? Eu estou dentro! Posso contar com você?


Fonte: