quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Tenha uma personalidade atraente



Napoleon Hill encabeça a minha lista de sugestões de livros que você precisa ler antes de morrer. Ele, além de pioneiro no estudo do comportamento humano para o sucesso, é um dos pensadores que mais influencia e inspira outros autores nessa área do conhecimento. 

Por 20 anos, Napoleon Hill estudou, entrevistou e pesquisou milhares de pessoas bem sucedidas com o objetivo de identificar as razões pelas quais tão poucos conseguem alcançar o sucesso, o que posteriormente deu origem à publicação de alguns livros a respeito do assunto. Dentre os mais conhecidos está "A lei do triunfo" publicado pela primeira vez em 1925 e já está em sua 39.ª edição. 

O mais interessante, ao ler as considerações do autor é analisar que as regras são muito simples, mas que exige disciplina e vontade de fazer acontecer. E é neste momento que inicia a segregação entre os bem sucedidos e os frutados. Isso porque não adianta apenas ter o desejo, é preciso persistência e determinação. 

Aqueles que se propõem a ler as 736 páginas do livro percebem que nenhuma das 16 leis descritas no livro são impossíveis de realizar, mas exige foco e disciplina, o que me faz entender muitos "por quês". 

Se me perguntar qual das leis é a mais importante, certamente direi que todas. E hoje, quero abordar uma delas, e ao longo do ano, falaremos sobre as demais. 


Personalidade atraente

Resumidamente o que o autor descreve é que pessoas bem sucedidas têm um comportamento exemplar e são indivíduos agradáveis e simpáticos. Simples assim! Ou talvez não tão simples assim. Seja como for, é muito interessante compreender esta habilidade e exercitar a capacidade de cultivar uma personalidade agradável. Vale ressaltar que em momento algum o autor refere-se à padrões de beleza mas comportamento. O que pode ser evidenciado na forma que você trata seus pares, seus amigos, familiares, subordinados e até mesmo os estranhos. 

"A sua personalidade define se as pessoas se atraem por você ou se evitam você. É a vitrine em que expõe o seu caráter para o mundo. É aquilo que distingue você dos outros seres humanos. É a sua marca registrada, pela qual as pessoas conhecem você. Por isso, você deveria ver a sua personalidade da mesma forma que os outros a veem - Napoleon Hill. 

Ao longo do capitulo, o autor sugere algumas práticas que influenciam para o desenvolvimento de uma personalidade atraente:

1) interesse genuíno pelo outro, sendo um bom ouvinte; 

2) Boa oratória, com tom de voz e expressões adequadas; 

3) vestimenta adequada ao seu tipo físico e ao trabalho que exerce;

4) Carácter positivo, cultivando bons pensamentos, sentimentos e ações;

5) Atitude mental, cultivando atitudes positivas; 

6) Cordialidade; 

7) Simpatia, alegria e generosidade com a boa fortuna dos outros - ou seja, saiba comemorar as conquistas alheias da mesma forma que comemora as suas. Não seja invejoso. 


“A sua personalidade é a soma total das características que te distinguem de todos os outros. As roupas que usa, as expressões do seu rosto, o seu tom de voz, os seus pensamentos, o carácter que desenvolve por meio desses pensamentos, todos são partes da sua personalidade.” Napoleon Hill


Um abraço, 

Simara Rodrigues 

Comece pelo Por que




Ser mãe de um rapaz de 20 anos traz muitos benefícios, entre eles a capacidade de estar sempre atualizada - com estilos musicais, conceitos, novas formas de comunicação e tendências. Verdadeiramente adoro conviver com esta geração e talvez por isso me considere uma eterna garota. E foi a partir das minhas conversas com o meu filho, que conheci Simon Sinek, autor do livro “Start With Why” cuja versão em português recebe o título de “Por Quê?: Como grandes líderes inspiram ação”, livro que surgiu a partir do TED com o mesmo título. 


O que mais chama atenção dentre as ideias de Sinek é o chamado “Golden Circle” - Circulo dourado - que abordei rapidamente em minha palestra no Congresso Internacional - COINS e prometi comentar aqui no blog e que faz muito sentido quando pensamos sobre o nosso propósito. A inquietação central de Sinek é basicamente a seguinte: “por que nós fazemos o que fazemos”. 


"Todo mundo tem uma razão. Por que você se levanta de manhã? Por que sua organização existe? Seu Porquê é o propósito, causa ou crença que o inspira a fazer o que você faz. Quando você pensa, age e comunica começando com Por que, você pode inspirar os outros".


É importantíssimo destacar que esse POR QUE não tem nada a ver com lucro. Lucro, nessa linha de raciocínio, é resultado. Logo, o que Sinek propõe é: "As pessoas não compram o que você faz, mas por que você faz" e ele percebeu que todos os lideres inspiradores e organizações do mundo, pensam, agem e se comunicam exatamente da mesma forma. E foi percebendo isto que desenvolveu o "Golden Circle" que funciona em três níveis: 

What (o que) - Cada pessoa, cada organização no planeta sabe 100% o que faz 
How – (como) Algumas sabem como fazem e como funciona o processo 
Why - (Por que) Mas poucas pessoas ou organizações sabem porque fazem o que fazem. Porque a sua Organização existe? Porque você sai da cama pela manhã? 

Durante sua explicação, Sinek traz um simples exemplo:

Se a Apple fosse como todas as outras, uma mensagem de marketing seria algo como:


"Nós fazemos ótimos Computadores
Eles são lindamente projetados, fáceis de usar, possui interface amigável."
Quer comprar um? Não.


"É assim que a maioria de nós se comunica, é assim que o marketing é feito, é assim que as vendas são feitas".

"Nós dizemos o que fazemos, como somos diferentes ou como somos melhores e nós esperamos algum tipo de atitude, uma compra, um voto, alguma coisa do tipo."

"Sempre vejo empresas dizendo, nós fazemos os melhores produtos, os mais bonitos, nós utilizamos as melhores tecnologias, nós somos os melhores. Mas nada disso é inspirador".

É assim que a Apple atualmente se comunica:

"Tudo o que fazemos, nós acreditamos em desafiar o status quo.
Nós acreditamos em pensar de forma diferente.
A forma que desafiamos o status quo.
É fazer nossos produtos bem projetados, fáceis de usar e interface amigável.
Acabamos fazendo excelentes computadores.
Quer comprar um?"


"Isso prova que as pessoas não compram o que você faz. Elas compram o porquê você faz."


Em seguida ele diz: "Se você contratar pessoas apenas porque elas podem fazer um trabalho, elas vão trabalhar pelo seu dinheiro, mas se você contratar pessoas que acreditam no que você acredita, elas vão trabalhar para você com o sangue suor e lagrimas."

Portanto, se você quer realmente fazer a diferença comece pelo por que, mas comece pelo SEU por que. É essa pergunta que irá direcionar suas ações, suas escolhas, seu passos, seus desafios e que sustentará o seu discurso. E a partir desse exercício, simples, você aprenderá a viver com o que realmente é essencial, te faz feliz e faz sentido. 

Assista o vídeo -  Vale muito a pena. 










Para saber mais sobre o autor clique no link abaixo: 



quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

"Protagonismo e identidade profissional: diferenciais do secretariado do futuro - Por Secretariado com Simone"

Conheci Simone pelas redes sociais - A esta altura do campeonato você já deve ter percebido que gosto de me conectar com pessoas e sou muito aberta para o Networking. 

Foi navegando pelas redes sociais que me deparei com a página da Simone e me chamou muito a atenção, inicialmente, a qualidade de seu material por meio de vídeos, sacadas no Instagram e Facebook e aos poucos fui conhecendo o conteúdo escrito, carinhosamente e cuidadosamente por Simone. Me encantei de vez. 

Simone escreve sobre importantes temas relacionados à área de Secretariado, o que julgo um canal importantíssimo de conhecimento, reflexão e aprendizagem,  principalmente para quem está ingressando no mercado e busca conhecimento sobre a profissão. 

Em outubro deste ano conheci pessoalmente Simone no Congresso Internacional de Secretariado - COINS e embora não tenhamos tido muito tempo para conversar, foi o suficiente transmitir um sentimento de profunda gratidão e admiração. Simone é gentil, educada, meiga, elegante e muito inteligente. É o tipo de pessoa que fala com o coração e consegue transmitir esse sentimento logo na primeira impressão. 

Já postei um artigo de sua autoria aqui no blog e após ler seu post com relatos sobre a palestra do Prof. Eugênio Mussak, até por uma questão de utilidade pública, me senti na obrigação de compartilhar aqui no blog para os leitores o rico conteúdo de uma das melhores palestras que já participei, com um dos melhores Professores que já conheci. 

À Simone meus sinceros agradecimentos por sua generosidade em compartilhar tão rico material, com um olhar tão singular, e nos inspirar com suas reflexões. 

Com Carinho, 

Simara Rodrigues 


COINS - SP / 2017 




“Protagonismo e identidade profissional: diferenciais do secretariado do futuro [Parte 2]”

Estamos começando mais uma semana e, conforme prometido, neste artigo trarei para você o que foram para mim as melhores reflexões da segunda parte da palestra do professor Eugênio Mussak, no COINS 2017, cujo tema foi “Protagonismo e identidade profissional: diferenciais do secretariado do futuro”. Espero que estes insights te inspirem para começar uma nova semana com muita energia e motivação, assim que como me inspiraram.


Na segunda parte de sua palestra o professor trouxe alguns conceitos para a nossa reflexão, com a intenção de relacioná-los ao protagonismo e à identidade profissional da(o) secretária(o). Abaixo vamos conversar um pouco sobre cada um deles e, ao término de cada exposição, te convidarei, por meio de uma pergunta, a uma reflexão sincera a respeito da identidade profissional que temos assumido:



Significado:

O professor trouxe a seguinte pergunta para os participantes: “o que estamos fazendo no COINS?” E sugeriu o seguinte desdobramento como uma possível resposta: “assistindo palestras, para sermos profissionais melhores por meio do aprendizado, para que possamos fazer o nosso trabalho melhor, para que nossos chefes e colegas sejam melhores, para que nossa empresa seja melhor, consequentemente, para contribuir para um mundo melhor”.

Saber o nosso “porquê” é algo extremamente importante, pois é ele quem dá significado a tudo o que fazemos. Para sermos profissionais realizados, precisamos desenvolver o nosso trabalho de forma a transmitir significado através dele em nosso dia-a-dia, não apenas conhecimento técnico.


Qual tem sido o meu porquê (propósito, motivo) no meu trabalho?



Criatividade:

O professor comentou que a criatividade é um “pré-requisito para a inovação e precisa estar a disposição para o nosso desenvolvimento”. Ele ainda mencionou que o ambiente ideal para a existência da criatividade é composto por:
Transgressão
Curiosidade

É muito importante lembrar que transgressão não é o mesmo que contravenção. Contravenção é uma infração, e deve ser punida. Já transgressão é o desafiar paradigmas, é questionar o porquê quando algo não tem mais sentido ou quando um processo é feito de uma determinada maneira simplesmente porque “sempre foi assim”, ignorando a necessidade de revisão e atualização de processos e procedimentos, de forma a considerar novos contextos e novas necessidades, sejam elas do negócio ou do mercado, por exemplo.



Há um paradoxo presente nas empresas: elas querem inovação e criatividade, mas não permitem transgressão, questionamentos ou mudanças. Como profissionais de secretariado, temos importância na criação dessa cultura no ambiente onde estamos: trazer sempre o questionamento construtivo e saudável dos processos – começando pelo nosso modo de trabalho, e não pelo modo de trabalho do outro – de forma a incentivar a criatividade, fazendo disso um diferencial da nossa identidade profissional e contribuindo para a sobrevivência e reinvenção da nossa profissão em um futuro muito próximo.

Robôs não são mais “ideias futuristas”, estão muito ativos no momento presente. Seja em atendimentos eletrônicos, seja desenvolvendo atividades antes performadas por seres humanos. A única forma de nos prepararmos para o futuro da nossa profissão é aplicando a criatividade no nosso dia-a-dia de trabalho – uma característica que confere singularidade à raça humana.


Estou preparada(o) para assumir o protagonismo do futuro de minha profissão, estando aberta(o) a novas formas de trabalhar e novos pontos de vista?


Clima corporativo

O professor começou comentando sobre um estudo que foi feito, a respeito do impacto que os ambientes físico e psicológico tem sobre a produtividade humana. O estudo conclui que mesmo em um ambiente físico com limitações, quando se tem um ambiente psicológico saudável, a produtividade aumenta. E quem contribui para um ambiente psicológico saudável são as pessoas.

E ele sugere a seguinte reflexão a este respeito: “nós somos influenciados pelo ambiente, mas também podemos influenciar o ambiente onde estamos”.

“Será que não seria esse um papel importante do profissional de secretariado? Ajudar a criar bons ambientes de trabalho, onde as pessoas se sintam bem, onde seu cérebro funciona e sua alma está presente?”

Falando sobre “estar presente”, o professor trouxe o conceito de “ócio criativo”, que seria a intersecção de 3 necessidades básicas do homem: o trabalho, o aprendizado e o prazer. O nosso cérebro funciona bem se estiver fazendo alguma dessas 3 coisas, e sua capacidade é potencializada se conseguimos realizá-las juntas – isso seria o ócio criativo.

E o professor segue, com uma citação de Cortela: “a vida é muito curta para ser pequena”. Se estamos em um ambiente onde não nos sentimos bem, onde não nos sentimos úteis, é importante reavaliar se deveríamos mesmo estar lá.



Nós não estamos onde está nosso corpo, nós estamos onde está a nossa alma. A alma (no sentido não religioso) está onde estão nossos valores, onde está aquilo que a gente acredita, nossos sonhos, objetivos, nossas paixões. O ambiente de trabalho bom é aquele onde a pessoa está inteira. Juntando corpo e alma em atividade significativa e prazerosa.

Voltando ao diferencial de nossa identidade profissional como secretárias e secretários, temos diante de nós um importante desafio: se queremos atrair boas pessoas trabalhando conosco, precisamos fazer com que esse ambiente de trabalho seja agradável.

Eu tenho assumido o protagonismo da manutenção de um bom ambiente de trabalho, fazendo disso um diferencial de minha identidade profissional?


Competência

Competência é a condição de realizar um trabalho, atingir um objetivo ou resolver um problema. Uma das nossas funções como profissionais de secretariado é ajudar nossos líderes a serem mais competentes.

O professor comentou que as competências estão divididas em 4 grupos:

Fazer: competências técnicas
Organizar: competências de gestão
Conviver: competências humanas
Aprimorar: competências de excelência

Algumas pessoas são competentes (atendem a expectativa), outras são incompetentes (não atendem a expectativa) e há um terceiro grupo, que são as pessoas meta competentes (superam as expectativas). Meta competência seria prestar atenção em todos os 4 grupos acima mencionados.

Assumindo que todo bom profissional de secretariado tenha as competências técnicas e de gestão como características básicas, talvez as mais desafiadoras aqui sejam as competências “conviver” e “aprimorar” – ou seja, temos aqui mais uma oportunidade de diferencial para a nossa identidade profissional.



Do ponto de vista do professor sobre a competência de conviver, “nós estamoscarentes de bons humanos, não de bons técnicos”. E “precisamos re-aprender a apreciar o humano”. A respeito da competência de excelência, o professor comenta: “a excelência existe, perfeição não. Sempre posso melhorar, e a excelência é o movimento de tentar sempre fazer um pouco melhor”.


Estou disposto a me desafiar refletindo francamente sobre as minhas habilidades em cada uma dessas 4 competências?


Comprometimento

E, para encerrar, o professor nos mostrou um diagrama que foi criado por ele durante uma dinâmica de grupo, quando pediram que os grupos criassem uma representação gráfica ou matemática do que seria o “casamento perfeito”.










Empresas e líderes sempre esperam que seus funcionários sejam comprometidos. Porém, como propõe o gráfico, comprometimento viria como resultado de um processo. Neste caso, o professor usou 2 triângulos sobrepostos e sugere que o comprometimento é resultado de um processo e antecedido por admiração, respeito, confiança, paixão e intimidade.

Quem me acompanha por aqui não imagina que eu me vi muitas vezes frustrada com experiências profissionais passadas, com as quais eu não consegui me comprometer, por mais que eu tivesse tentado, praticamente me forçado, a fazê-lo.

Hoje eu entendo que essa impossibilidade ocorreu justamente porque não havia meios de consolidar os passos anteriores necessários para atingir o comprometimento. Não havia admiração, respeito e confiança, porque a situação na qual eu estava inserida não correspondia aos meus valores, como pessoa e profissional.

Consequentemente não havia paixão e tampouco intimidade de minha parte para com o meu trabalho, porque os pilares anteriores não puderam ser estabelecidos. Eu confesso que me senti muito confundida nessas ocasiões, buscando entender o motivo dessas experiências e o que eu poderia aprender delas, e hoje eu entendo o porquê.

Acredito que ter sido fiel aos meus valores fortaleceu e me deu muito mais clareza de qual é a minha identidade profissional. Tomar o protagonismo da minha carreira e decidir o rumo dela não foi uma atitude fácil, mas foi muito enriquecedora do ponto de vista de autoconhecimento e amadurecimento profissional.

Eu tenho me comprometido com minha identidade profissional, com meu trabalho e com a minha carreira?



A palestra do professor foi muito inspiradora, leve e motivadora – uma das melhores que eu já assisti. Seria impossível reproduzir toda a riqueza do valor que ele transmitiu durante a 1:30h de exposição. O que deixo para você neste artigo é a minha mais sincera contribuição e chamada para reflexões profundas, para que possamos de fato buscar ativamente os diferenciais para nos desenvolvermos em nossa profissão, de hoje em diante.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

"persistam, insistam e resistam"


Conheci Claudia Schaffer, no início deste ano por meio das redes sociais e aos poucos fomos nos aproximando. Ela mora em São Paulo e eu Brasília, mas a partir de uma curtida aqui outra ali fomos nos identificando e descobrindo muitas afinidades. 

Em outubro, por ocasião da minha participação no Congresso Internacional de Secretariado - COINS, recebi o convite de Claudia para um jantar. 


Foi uma noite agradabilíssima, regada por boa comida, bom vinho e ótimas companhias, oportunidade que tivemos de nos conhecer pessoalmente, rir, conversar e nos aproximar. Claudia é o tipo de pessoa que admiro: positiva, leve, bem humorada, confiante, forte e muito elegante - em sua fala, escuta e postura. Foi amor à primeira vista. 

Tenho acompanhado seu trabalho e fico encantada com seu engajamento e delicadeza com que conduz a vida e a profissão. 

Aqui, compartilho o último post para que os leitores do blog Secretariar é uma arte possam conhecer um pouco mais sobre esta Secretária Executiva que inspira.


Marcelo de Carvalho vice-presidente da RedeTV! responde perguntas sobre uma das profissões que estarão em alta no Brasil em 2018


Amigos leitores,

O projeto ‘’Pessoas que Inspiram’’, pioneiro e inovador na área de Secretariado, tem o prazer e a alegria de contar com a contribuição de mais um empresário e apresentador de sucesso.

Esta é mais uma oportunidade valiosa de aprendizado para os profissionais que buscam, a cada dia, realizar suas atividades com eficiência, pró-atividade e controle total da qualidade.

É realmente um orgulho para mim ter a oportunidade de levar para outras pessoas conhecimento com qualidade, com posicionamento de liderança e desfazer a imagem estereotipada que alguns ainda têm acerca da profissão, seja por ignorância ou por não compreenderem a realidade e o novo perfil do profissional de secretariado.

De fato, ainda vemos pessoas, empresas, empresários e mídias que desacreditam do potencial inerente a nossa essência, que simplesmente deixam pra lá, desdenham ou apostam que nosso empreendedorismo “não vai dar em nada”.

Nunca segui o óbvio, ou a moda do momento e muito me orgulho disso.

Mas antes de iniciar a entrevista com o apresentador conhecido como o “Dono da Diversão”, falarei um pouco sobre a nova fase da RedeTV! que chega repleta de inovação e muita criatividade.

A RedeTV! é a caçula e a mais ‘’moderninha’’ das emissoras de TV do pais.

Completamos, recentemente, 18 anos. Fomos a primeira emissora a exibir 100% da programação em alta definição (HD Digital) e a primeira no mundo a transmitir em 3D, ao vivo, na TV aberta. Nos primeiros 15 anos a rede saltou de 5 para 42 emissoras – um crescimento de 740%.

É a mais jovem e a primeira na introdução de várias tecnologias de ponta . 

Este ano inauguramos um novo conceito espacial que deve ditar o estilo dos ambientes na empresa de agora em diante. Com mudanças atrativas, muita inovação e criatividade, nosso Centro de Transmissão Digital – CTD agora opera em um espaço mais moderno, com novas instalações em um conceito de open space.

No evento em que celebramos a inauguração deste novo momento, Marcelo ressaltou: “O maior capital desta empresa não está em máquinas, equipamentos ou prédios, está passando todos os dias pelas catracas, são os nossos funcionários”.

Como costumo dizer , sou parte de uma empresa que foge dos padrões impostos pela mídia comum, não nos prendemos a enredos e temas convencionais. Essa é a personalidade da emissora.

Trabalhar ao lado de homens que não são conhecidos e reconhecidos apenas como empresários e apresentador de sucesso mas que, acima de tudo, prezam pelo bem estar da empresa e de seus funcionários é, de fato, um privilégio! 

Outra vantagem que tenho é poder aprender e crescer por meio de experiências autênticas, trilhando o caminho que conduz à realização profissional, pessoal e ao empreendedorismo (já que estou ao lado de ótimos exemplos), sendo ousada, consciente, curiosa, disposta e convicta do meu papel - SENDO Secretária, zelando pela profissão em cada tarefa realizada, por mais simples que ela possa parecer. 

Fazer o que se gosta é muito bom, mas gostar de tudo aquilo que se faz é essencial!

Então, quando olho pelo meu retrovisor da minha trajetória, vejo que o resultado foi muito positivo em todos os sentidos, principalmente em aprendizado e em resultados.

Mas vamos à entrevista:

Marcelo de Carvalho.

À frente do negócio, ao lado do sócio, o engenheiro químico Marcelo de Carvalho é uma das faces mais visíveis da RedeTV!

E essa é uma excelente e imperdível oportunidade de conhecer a visão deste grande empresário e apresentador de televisão a respeito da profissão que amamos, o Secretariado!

Há 3 anos e meio, trabalho diretamente com o Marcelo, como sua secretária na RedeTV! em Osasco, região metropolitana de São Paulo sou Secretária do empresário e apresentador de TV - sim, há muita diferença entre uma e outra atuação.

Mas agora estou do outro lado, representando o projeto que criei em parceria com o Portal Administradores e através do qual minha voz representa o Secretariado.

Para tornar a entrevista participativa e inclusiva, as perguntas foram enviadas e sugeridas por profissionais da área.

A ânsia por aprendizado e a curiosidade destes profissionais pode te ajudar a esclarecer algumas dúvidas. Imperdível, né? Então, vem comigo!

São 20h30 de uma quarta-feira, logo após a gravação, no estúdio do programa ‘’O Céu é o Limite’, o vice-presidente da RedeTV!, Marcelo de Carvalho, gentilmente concede uma entrevista exclusiva para a palestra que ministrei na FATEC - Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo, para os estudantes e profissionais de Secretariado e também para o projeto “Pessoas que Inspiram’’.

Marcelo espera ansioso pelo dia mais alegre da semana, quando grava o programa ‘’O Ceú É o Limite’’. Sua diversão é ser apresentador! Gosta de programas de auditório, com plateia, em que onde as pessoas se divertem e ganham prêmios.

Ser apresentador torna seu cotidiano como dono da emissora mais leve. Já comentou em diversas ocasiões que os dias mais divertidos da semana são os dias de gravação.

Se Sílvio Santos é o patrão que dá o ar da graça nas noites de domingo na TV, no SBT, os sábados ficam por conta de outro empresário: Marcelo de Carvalho. “Fico: faltam dois dias para a gravação; falta um dia para a gravação; chegou; é hoje. Me divirto muito, muito.” Diz ele.

Vamos ao bate papo!

Irreverente e divertido, com vocês, o Vice-Presidente e apresentador da RedeTV! Marcelo de Carvalho.

Marcelo:

É um prazer me dirigir a vocês atendendo ao pedido da minha querida Secretária, Claudia Schaffer.

Claudia Schaffer: Conta pra gente qual sua relação e visão referente ao novo Profissional de Secretariado.

Sempre digo, estou familiarmente, intimamente ligado à profissão de secretariado. Meu depoimento é passional e pessoal. 

Vou começar dando um depoimento pessoal. Minha mãe foi Secretária.

Filha de alfaiate italiano, em 1940 ela se rebelou e quis trabalhar para ganhar o próprio dinheiro. Entrou em um curso de inglês e quando seu pai descobriu que ela já estava matriculada, pegou a cinta e bateu na minha mãe. Quando ele terminou de bater, ela perguntou: ‘’ O senhor terminou? Então, está bem. Amanhã o senhor vai ter que fazer tudo de novo, porque eu vou voltar para meu curso: "quero falar inglês e ser Secretária Bilíngue em uma multinacional americana”.

Claudia Schaffer: Desde muito cedo você teve contato com a profissão. Conte-nos como aconteceu.

Minha mãe permaneceu na carreira por aproximadamente 30 anos. Ela trabalhou na Swift como Secretária do Presidente [na época era uma companhia texana] até a empresa ser vendida. 

Claudia Schaffer: Você tem duas Secretárias. Qual a importância delas no seu dia a dia?

Elas são imprescindíveis na gestão da empresa porque o executivo, o gestor, o gerente, se apoiam muito na Secretária para tudo, para as tarefas que eles desejam que ela faça e para tarefas que ele próprio deseja fazer. Eu, por exemplo, não vivo sem as minhas Secretárias. Uma delas está comigo há mais de trintas anos.


Claudia Schaffer: A RedeTV! é vista como uma empresa tecnológica e pioneira na exibição em HD Digital. No Secretariado, qual a importância da tecnologia?

A tecnologia tem exigido demais e dado demais. Exigido demais porque, antigamente, a Secretária, além do domínio de línguas, precisava ser boa datilógrafa ou, no caso da minha mãe, uma boa estenógrafa. Vocês talvez não saibam o que é isso porque hoje não precisam; hoje vocês têm os devices, os iphones, os tablets, o keynote, computadores que, inclusive, captam voz e versam em palavras. Para nós, empresários, é fundamental que a Secretária tenha domínio das tecnologias. Por exemplo, nós usamos o Keynote como recurso para nossas apresentações. Porém, já na minha época, acreditem se quiser, elas eram feitas em transparência ou flip chart. Depois veio o Power Point, hoje é o Keynote e fica tudo muito mais bonito.

Eu não opero Power Point e Keynote, sou um ótimo operador de canetas. Faço meus traços, projeto tudo na mente e o meu pessoal executa. Preciso que me deem a coisa acabada.

A tecnologia ajuda, sem dúvida nenhuma, mas, por outro lado, ela exige o domínio das ferramentas. Isso, eu acredito, é uma coisa que vai, cada vez mais, avançar e contribuir para os negócios e vai, também, exigir acompanhamento e aprimoramento técnico contínuos.

Claudia Schaffer: Existem Secretários com diferentes perfis que trabalham nos mais diversos setores: indústria, comércio, prestação de serviços, como profissionais liberais, com pequenos e médios empresários. Em cada setor será exigido deste profissional um perfil específico porém, existem algumas características básicas e fundamentais para destacar-se em qualquer um deles. Na sua opinião, quais as características indispensáveis no perfil deste profissional?

Em primeiro lugar, antes de qualquer coisa, a confiança. A Secretária é aquela pessoa em que você confia.

[Risos] Olha, eu já vi camarada trocando de mulher, trocando de carro, de casa, trocando até de cachorro, mas não trocando de Secretária!

Secretária é aquela pra quem você dá seu cheque assinado em branco.

Secretária é aquela na qual naquele dia em que você está para baixo, ela entra na sua sala para te levar um chocolate, um chá.

Secretária é aquela pessoa pra quem você delega uma tarefa e você tem absoluta certeza de que ela vai entregar.

Então, em primeiro lugar, sem dúvida, é a confiança.

A segunda coisa que considero indispensável é a eficiência traduzida em rapidez e eficiência. Tem uma coisa que eu sempre digo: uma tarefa só termina quando ela termina. Parece lugar comum, mas não é!

Às vezes você pede alguma coisa e se esta coisa não foi feita, a Secretária vem com uma desculpa qualquer. Isso não interessa. Aquela tarefa tem que ser feita!

Minha mãe me dizia que ser Secretária é achar três sapos em duas horas.

Claudia Schaffer: Como assim?

O chefe da minha mãe, um texano chamado Mr. Wellington, tinha duas filhas que evidentemente estudavam em colégio americano em São Paulo, isso na década de 60. Elas haviam pedido ao pai, que morava em uma casa muito grande [naquela época era comum os americanos morarem na Chácara Flora]. Na casa tinha um lago que tinha sapos. Elas pediram ao pai que pegasse 3 sapos para apresentação de biologia delas na escola e o pai...evidentemente se esqueceu.

Quando ele chegou ao escritório, disse para minha mãe: Lolinha [minha mãe chamava-se Dolores, apelido Lolinha]. Eu esqueci dos sapos!!!

A aula das meninas começava dentro de, aproximadamente, duas horas. Minha mãe tinha duas horas para achar três sapos e, acreditem, ela achou!!!

Claudia Schaffer: O que os executivos esperam de suas Secretárias (os)?

Esperamos que vocês nos complementem. Sabe por quê?

Porque nós somos imperfeitos, nós somos profissionais, via de regra, sobrecarregados, com uma tensão emocional muito grande, com estresse terrível. Esse estresse faz com que a gente erre, se atrapalhe. E esse profissional que está ao nosso lado, nos apoiando, é o nosso veículo para conseguirmos ultrapassar nossas dificuldades.

Claudia Schaffer: Deixe sua mensagem para os meus leitores, estudantes e profissionais de Secretariado do Brasil.

Desejo a vocês um grande aprimoramento profissional. Tenho certeza que vocês têm essa ânsia de crescer dentro de si. Eu acredito que a profissão que vocês abraçaram é um gateway para crescerem muito profissionalmente. Desejo boa sorte e meu conselho é: persistam, insistam e resistam.

O futuro é de vocês!

Fonte: 






segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Aprendendo a ressignificar




2017 vai chegando ao final e minhas reflexões seguem a todo vapor, em parte porque foi um ano de muitas realizações, desafios e descobertas. 

Foi um ano que, para mim, começou “bad” e com algumas crises existenciais. Afinal de contas, quem sou? Qual o meu papel nesta vida, será que fiz escolhas certas? Eu me sinto feliz? O que eu preciso aprender com tudo isso? O que me motiva? O que me inspira? Estou no caminho certo? É isso mesmo que eu quero? E se der errado? 

Foram momentos que tive dúvidas sobre algumas escolhas e me senti triste e frustrada com alguns resultados. Cheguei a questionar se o preço pago - e caro - para uma transição de carreira tinha valido a pena.

Mas diante de todas as minhas dúvidas tive ao meu lado pessoas empoderadas, que me apoiaram e que contribuíram para que aprendesse a ressignificar muitos sentimentos, medos e emoções. 

Tive minha fé fortalecida e descobri habilidades que sequer conhecia. Botei a cara à tapa, sem medo de me expor, sai - de novo - da zona de conforto e mergulhei de corpo e alma em meus sonhos, exercitando a minha capacidade de criar e inovar com muita disciplina e foco. 

Reconheci e aceitei que sou imperfeita e que tentar agradar os outros o tempo todo é uma grande perda de tempo e de energia.  E não é isso não me faz mais respeitada, reconhecida e realizada. De vez em quando é preciso ligar o botão do %$#$-*&. 

Entendendo que não sou de ferro, não sou a mulher maravilha e que sou um ser humano como todo e qualquer outro - com falhas, emoções e necessidades -  fui capaz de dedicar mais tempo à minha família e estar de fato presente. 

Reconheci que era preciso me afastar de algumas pessoas que não estavam alinhadas ao meu propósito de vida, o que abriu espaço e energia para a chegada de anjos, em forma de seres humanos, enviados por Deus a mim. 

Quanta gratidão! Quanta força e energia isso me trouxe. Esse filtro - de pessoas, pensamentos e emoções- é libertador. 

2017 foi um ano desafiador e emoções foram compartilhadas em forma de pensamentos, posts, lives, treinamentos e vivências. Aprendi mais sobre mim, sobre minhas limitações e minhas potencialidades. Novos projetos começaram a ser desenhados a partir dessas inquietações, novos rumos estão criando forma, possibilidades jamais cogitadas começaram a aflorar e o Ano vai deixando saudade, alegria e muitas gratidão. Quantas emoções foram trabalhadas neste ano! 

Que 2018 venha com a mesma intensidade, positividade, abundância, prosperidade e que eu possa continuar crescendo, aprendendo e sendo instrumento de transformação na vida de outras pessoas. 

Com carinho 

Simara Rodrigues 

Secretariar com afeto




Ontem recebi uma ligação de um executivo que assessorei há alguns anos, me solicitando uma gentileza. Na verdade, nunca perdemos contato e vira e mexe nos falamos, seja para compartilhar uma boa notícia, para pedir algum conselho - sim ele continua sendo meu mentor - ou por ocasião de alguma data comemorativa. Foi com ele que aprendi a diferença, na prática, entre um líder e um chefe. 

Ele faz parte do rol de executivos mais influentes, respeitado e referência no mercado que já trabalhei e não só por isso, mas por habilidades que admiro, valorizo e respeito, sobretudo por sua capacidade de liderar de forma humanizada estará no livro que pretendo lançar em breve. 


Há 10 anos leciono a disciplina de Técnicas Secretariais, o que exige muita atualização e olhar atento para as técnicas e inovação do mercado e a única coisa que nunca mudei e continuo pregando em sala de aula é a necessidade de secretariar com afeto. 

Quem secretaria com afeto é capaz de atuar de forma singular, isso porque Secretariar requer muito mais que técnicas. Afinal, qualquer indivíduo é capaz de atuar a partir da realização de cursos, treinamentos, especializações e aprendizado, e embora uma coisa não desabone a outra, para atuar de forma humanizada, diferenciada e com excelência é mandatório amorosidade - no discurso, na escuta, no comportamento e na postura - E esta regra vale para todas as relações. 

As pessoas, com muita frequência, me perguntam qual é o segredo do sucesso e não tenho dúvidas que antes das habilidades técnicas foi preciso esse despertar. Afinal, como posso desenvolver uma parceria de sucesso com o meu gestor e grupos de trabalho se não sou capaz de atuar com amor, respeito e afeto? 

E o que tem a ver a ligação de ontem com este discurso?

Esse executivo poderia ter contatado qualquer pessoa no planeta para solucionar o seu problema, mas foi a mim que ele recorreu. E essa relação de confiança, parceria e cumplicidade só existe porque no passado foi evidenciada em minha atuação, não somente como uma profissional capaz de desempenhar suas habilidades de rotina, mas pela capacidade de ir além, atuando com empatia, respeito, dedicação e amor pelo que faz. 

Dormi com o coração leve, nostálgica e agradecida por ter desempenhado muito mais do que fui paga para fazer, afinal afeto não tem preço e a gente colhe os frutos pro resto da vida! 

Portanto, a diferença entre uma pessoa realizada, profissionalmente e pessoalmente, e uma pessoa frustrada, não é a falta de conhecimento e oportunidades, mas sim a falta de vontade. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues




terça-feira, 5 de dezembro de 2017

A maneira como você faz uma coisa, é a maneira que você faz todas as coisas


Há uma frase do autor T. Harv Eker que gosto muito e faz todo sentido quando analiso a minha vida. "A maneira como você faz uma coisa, é a maneira que você faz todas as coisas"

Já parou para pensar sobre a maneira como tem feito as coisas em sua vida como um todo? Com quanta seriedade e profissionalismo tem atuado? Quanto tem se dedicado ao aperfeiçoamento e atualização da sua carreira? Como você se comporta no ambiente pessoal e corporativo? 

Particularmente acredito sim que como você faz algumas coisas indica a maneira como faz tudo ou grande parte das coisas em sua vida. 

Se uma pessoa é desorganizada com suas finanças, por exemplo, ela provavelmente será desorganizada com as finanças da empresa. Alguém que apresenta um trabalho acadêmico de qualquer jeito, sem planejamento ou preparado adequado, provavelmente terá a mesma postura em uma apresentação na empresa. Uma pessoa que não tem um planejamento eficiente de sua agenda pessoal, certamente não terá na vida profissional. Se uma pessoa costuma deixar tudo para a última hora na vida pessoal, certamente fará o mesmo com a carreira. Se com frequência chega atrasado em seus compromissos pessoais ou não cumpre prazos estabelecidos muito provavelmente cometerá a mesma gafe na vida profissional. Ou seja, se a vida pessoal é caótica é bem possível que o mesmo se reflita em outras esferas. 

Na década de 90 era comum ouvir no mundo corporativo pérolas como: 

"A forma como sou na vida pessoal é completamente diferente como sou na empresa" 
"Na minha casa deixo tudo desorganizado, mas no trabalho sou muito organizado" 
"pago todas as minhas contas atrasadas, mas na empresa atuo com precisão". 

Não se engane, seus hábitos e comportamentos se repetem em todas as áreas da vida e falam muito sobre quem é você. E não há problema algum em reconhecer isso, quando há o desejo de melhoria e realização. 

Em 2017 busquei trabalhar com foco em autoconhecimento e tenho percebido que quanto mais me conheço mais fácil tem sido identificar comportamentos que me distanciam e também me aproximam do meu propósito de vida. A partir dessas análises tem sido fácil criar estratégias de transformação. Desejo que esta reflexão também também faça sentido em sua vida e que a maneira como você faz uma coisa, seja a maneira como você faz todas as outras. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues 

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

vinhos de até dois dígitos

Com certa frequência recebo mensagens de amigos e alunos solicitando sugestões de vinhos para presentear, degustar e/ou organizar reuniões e eventos. 

Trabalhando alguns anos com a organização de eventos corporativos e Institucionais tive a oportunidade de aprender e conhecer sobre o assunto, e embora num primeiro momento possa parecer futilidade ou banalidade, na prática e em certas ocasiões faz toda a diferença e tem a sua importância. 

Esta semana o Correio Braziliense publicou algumas dicas sobre o assunto e na expectativa de contribuir com meus leitores, compartilho aqui no blog. Gostei das dicas, que atendem a todos os bolsos e gostos. 

Clique sobre a imagem para ampliar


Cinco sommeliers indicam vinhos de até dois dígitos


Especialistas recomendaram, cada um, um branco, um tinto e um de livre escolha de até R$ 99*



Há quem divida os consumidores de vinho em dois grandes grupos: os que o veem apenas como uma bebida e os que o defendem como um estilo de vida. Mesmo os que estão no segundo grupo sabem que os tempos estão bicudos na economia. Por isso mesmo, consultamos cinco especialistas da cidade e pedimos a cada um que recomendasse três rótulos de até dois dígitos – um tinto, um branco e um de livre escolha.



Difícil ficar indiferente diante deles. Àqueles que podem torcer o nariz para um tempranillo de 29,90 reais, Aldrick Muggler, da Adega Brasília, tem uma resposta pronta. Vinhos de menor custo devem ser tomados pelo que são: benfeitos, descomprometidos e incomparáveis. “É perfeitamente possível encontrar excelentes rótulos nessa faixa de preço. E um dos quesitos é o lugar onde se compra. Eu tinha uma loja enorme na Asa Sul. Encontrei um ponto menor, com menos custos operacionais e fixos. Assim, barateei o produto”, explica Muggler. A estratégia deu certo. Hoje, cerca de 75% do catálogo de quase 600 rótulos que a loja ostenta sai abaixo de 99 reais.




Na World Wine BsB, os preços passeiam entre 1 mil e 29 reais. Marcos Rachelle, consultor da importadora, afirma que os vinhos que estão na última faixa de preço não têm qualidade inferior. Professor da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) por oito anos, Rachelle diz que os mais procurados no estabelecimento custam entre 40 reais e 80 reais. A maioria vem da América do Sul. “Acordos de livre comércio fazem com que vinhos do Chile e da Argentina, por exemplo, sejam comercializados mais baratos em solo brasileiro”, assegura o profissional. Mas isso não impede que aqueles com Denominação de Origem Controlado (DOC), como italianos e espanhóis, apareçam entre as sugestões.



AS ESCOLHAS DE CYRO TORRES JÚNIOR

PROPRIETÁRIO DA BRILHO WINE & BISTRÔ

À frente da loja desde 1997, quando a casa hoje situada no Gilberto Salomão ainda funcionava na Feira dos Importados, Cyro Torres Júnior é sommelier formado pela ABS nacional e passou por instituições fora do país, como na Espanha. “Tenho mais de 150 feiras do segmento no currículo e já fui às maiores do mundo: Alemanha, Itália, Portugal, Argentina e França, por exemplo”, diz. “Hoje, o aumento na concorrência impulsiona mais pessoas vendendo e empreendendo em torno da bebida”, afirma. Na lista de eleitos, dois são oriundos do Novo Mundo. “Escolhi vinhos da Europa para quebrar o paradigma de que apenas os vinhos da América do Sul têm preço mais em conta”, diz o também sócio da importadora Del Maipo, que atende somente atacadistas (lojistas, supermercadistas, restaurantes e outras empresas do ramo) na Cidade do Automóvel.





AS ESCOLHAS DE JOSÉ FILHO ANJOS
CONSULTOR DE VINHOS E GERENTE COMERCIAL NA ENOTECA DECANTER


Quando o assunto é realização profissional, existem pessoas que acreditam no destino e as que preferem “arregaçar as mangas”. José Filho Anjos carrega um misto dos dois perfis. “Estava passando em frente à loja em 2009 e vi que eles estavam contratando. Entreguei meu currículo e me chamaram para ser entregador. Com um mês já estava fazendo vendas na loja. Passei a estudar e me especializar”, relembra. Hoje, é certificado pela escola americana Internacional Sommelier Guild (ISG). Também cursou três categorias na Wine & Spirit Education Trust.





AS ESCOLHAS DE ALDRICK MUGGLER

PROPRIETÁRIO DA ADEGA BRASÍLIA 


Formado em administração, em Zurique, Aldrick Muggler mudou-se para Brasília em 2004. De lá para cá, dominou o português e decidiu dedicar-se ao vinho. Não são apenas os vários cursos que gabaritam o suíço como um exímio conhecedor da bebida de Baco. As memórias afetivas contam muitos pontos a favor do especialista. Ele aprecia o item desde pequeno. “Desde muito novo via meu pai abrir um grande vinho por dia, daqueles de guarda, com 30 anos de história. Ele colocava um pouquinho para experimentarmos. Cresci aprendendo a degustar”, comenta.





AS ESCOLHAS DE MARCOS RACHELLE


SOMMELIER, PROFESSOR E CONSULTOR DE VINHOS DA WORLD WINE BSB



Não se engane pelo jeito sereno com que ele conduz uma conversa. Enófilo e degustador de vinhos há mais de 20 anos, o especialista é um verdadeiro workaholic. Formado pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) e pela Wine and Spirits Education Trust (Wset), trabalha com mais de 300 restaurantes. “O olhar e curadoria do profissional é que fazem a diferença na hora de garimpar um vinho com valor mais em conta”, diz. Recentemente, Rachelle ganhou como sócia a empresária Giuliana Ansiliero, filha de Francisco Ansiliero – conhecido por manter, no Dom Francisco, uma das maiores adegas do Brasil.





AS ESCOLHAS DE MARCELO COIMBRA


PROPRIETÁRIO DA DOC FOOD & WINE


A relação de Marcello Coimbra com a enocultura começa em 2011. Foi quando ele adquiriu a Maison des Caves, representante da Art des Caves em Brasília. Sommelier, Júlio César sempre foi – e ainda é – o braço-direito na escolha dos rótulos que compõem a adega do DOC, em funcionamento desde 2013. Tal como os outros especialistas consultados, Marcello não julga o vinho pelo preço. Prefere ser justo nas exigências. “Abaixo de R$ 99, é preciso saber o que esperar no vinho. Nesse valor, geralmente aparecem rótulos mais frutados – e igualmente excelentes. Não adianta querer uma bebida que tenha passado por 32 meses em barricas de carvalho”, diz.







Fonte:

http://sites.correioweb.com.br/app/noticia/encontro/revista/2017/10/24/interna_revista,4307/cinco-sommeliers-indicam-vinhos-de-ate-dois-digitos.shtml