segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

II Fórum do Comitê de Secretariado Executivo do DF


Tudo começa com o sonho, com o desejo. Particularmente sempre questionei o status quo, sentimento esse que aplico constantemente para tudo em minha vida. No Secretariado, enquanto muitos choravam eu vendia lenços e sempre vi as melhores e mais incríveis oportunidades. E assim construí minha carreira.

Repetidamente direi: Eu sou muto grata à todas as oportunidades que o Secretariado me proporcionou, e que sabiamente soube aproveitar. Afinal, a oportunidade dança com quem já está no salão. 


E foi a partir do desejo e de sonhos que nasceu o Comitê de Secretariado Executivo do DF, que desde 2015 vem realizando um trabalho de integração e provocando uma mudança de mindset nas pessoas. E é incrível como este sentimento tem sido compartilhado por outros profissionais, que assim como nós, acreditam na profissão e no seu valor. 


Ontem, dia 09/12/2018, em pleno domingo chuvoso de Brasília, realizamos o II FOCOS - Fórum do Comitê de Secretariado, um evento 100% idealizado, promovido e organizado pelos membros do Comitê e a partir das habilidades e competências de cada integrante oferecemos um evento de excelência. Estou segura que os participantes saíram do evento melhores do que chegaram, sobretudo pela riqueza de conteúdo, informações e experiências compartilhadas com e entre os participantes. 

O evento, que contou com a presença de renomados profissionais foi uma iniciativa do Comitê de provocar reflexões e também proporcionar aos participantes a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos. 

A cada nova ação que planejamos eu me sinto verdadeiramente grata e feliz. É maravilhoso trabalhar com uma equipe tão engajada, competente, comprometida e alinhada com o mesmo ideal. Escrevo aqui o que estava em ontem em minha fala de encerramento: O Comitê não tem RG, ele tem alma, paixão, entusiamo, parceria e muita vontade de fazer a diferença. Estes são os ingredientes que formam o nosso DNA e por isso, somos um grupo tão sincronizado e singular. E mesmo que sejamos tão diferentes, nos completamos.

Em 2019 o FOCOS estará no maior evento de Secretariado, o Congresso Internacional de Secretariado - o COINS e assim vamos contagiando outras pessoas com a nossa paixão por aquilo que acreditamos e fazemos com excelência. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues 


Confiram  o vídeo feito especialmente para o FOCOS clicando aqui ou veja logo a seguir


















domingo, 2 de dezembro de 2018

Constância e determinação por Kobe Bryant

Ao longo da minha jornada tenho trabalho e estudado para ser uma pessoa de sucesso - que de forma bem resumida significa ser, ter e fazer tudo aquilo que faz meu coração vibrar, sem violar o direito de outros seres viventes. E para me inspirar, busco conhecer a história das pessoas que "chegaram lá", o que elas fizeram? como fizeram? seja no empreendedorismo, no mundo corporativo, no entretenimento, no esporte, enfim, gosto de conhecer a história de pessoas que alcançaram seus sonhos. E uma caraterística muito comum nas pessoas bem-sucedidas é a constância. Não a constância de uma semana, um mês, um ano, mas de uma vida...Já viu dieta dos 21 dias funcionar? 

O que Steves Jobs, Nathalia Arcuri, Oprah Winfrey, Warren Buffett, Abílio Diniz, Frida Kahlo, Chris Gardner, Wall Disney, Samuel Klein, Luiza Trajano, Silvio Santos, Kobe Bryant​ e milhares de outras pessoas pelo mundo ​têm em comum é a capacidade de ser constante, ou seja, transformar sonhos em objetivo avançando da vontade para ação. Hábito, esta é chave que precisa girar quando temos um desejo ardente.  Pessoas que têm constância não se distraem com modismo e "receita" que promete sucesso da noite pro dia....sinto informar, mas sucesso  da noite pro dia só acontece em filmes e desenho animado.  


Recentemente assisti uma entrevista com Kobe Bryant, ​um dos maiores jogadores de basquete do mundo, que por 20 anos jogou na NBA. A entrevista é inspiradora e te permite avaliar o quão determinado você tem sido. Kobe compartilha​ na entrevista​ sua jornada incansável de treinos e disciplina, que o tornaram uma lenda do basquete. 

Para Kobe, o sucesso é uma matemática simples: "Se você quer ser um ótimo jogador, se você treina todos os dias por duas ou três horas no intervalo de um ano o quanto você irá melhorar? A maioria das pessoas jogam talvez por uma hora e meia, dois dias na semana. Faça a matemática...isso não será suficiente. Então se você treinar obsessivamente por duas ou três horas todos os dias ao longo de um ano, ao longo de dois anos, você dá um salto". 

Moral da história: É preciso treino, disciplina e foco. Portanto, se você tem um sonho, treine, treine incansavelmente até que ele se realize. É uma matemática simples! Não há atalhos. 

"Se eu puder trabalhar tão duro assim todos os dias e sendo abençoado com todos os atributos que tenho, como será minha carreira?....Se você viver a vida melhorando todos os dias e fizer isso por 20 anos, o que você terá?.....

Assista o vídeo....vale muito a pena! 


Com Carinho, 


Simara Rodrigues 





sexta-feira, 30 de novembro de 2018

O poder das relações

"A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida". Começo o texto de hoje parafraseando Vinícius de Moraes, porque acredito que a nossa vida faz muito mais sentido quando reconhecemos e encontramos amigos ao longo da nossa jornada. 

Maristela Braga, desde o primeiro dia de contato, tornou-se uma referência de Profissional que desejo ser. Educada, simpática, otimista, bem humorada, leve, gentil, focada, incansável na arte de assessorar e servir são algumas de suas características. É o tipo de pessoa que vale a pena conhecer e "modelar" . 

Conheci Maristela assim que ingressei na então Telemar. Ela  era a Secretária do Presidente e há anos estava lotada no Rio de Janeiro. Em Brasília eu assessorava alguns diretores além de ser o ponto focal de assessoria ao Presidente quando visitava a filial, o que acontecia semanalmente. Logo, nossa parceria precisava acontecer de forma sincronizada, respeitosa e amistosa.  O que aconteceu. 

Um dos grandes desafios que reconheço para a atuação dos Profissionais de secretariado está nas relações interpessoais, que por inúmeras vezes é  pautada por competitividade, desrespeito e falta de ética. É vergonhoso quando isso acontece. De toda forma, um dia a máscara sempre cai.

Nos tornamos amigas, sem nunca termos visto uma a outra. Nossas afinidades e paixão pelo secretariado iam confirmando nossa parceria e selando nossa amizade. Ela, com muito mais bagagem, me ensinou muito, não só técnicas mas comportamento, postura e resiliência. Guardo dela as melhores histórias, diria que a caixa preta do Secretariado. Aquilo que nunca se lê em livros, se fala em público e tão pouco se aprende na faculdade. Eis o grande legado da experiência compartilhada por quem sabe o que está falando e fazendo. 

Apenas quatros anos depois da nossa parceria e amizade, nos conhecemos pessoalmente em um evento de comemoração ao Dia da Secretária, promovido pela empresa na Matriz,  localizada no RJ, em que todas as Secretárias do país estivam presentes. 

Para mim, era como se eu já a conhecesse e não foi diferente a forma como nos tratamos. Já não trabalhamos juntas, mas ainda hoje falamos com muita frequência e nossa amizade continua, agora somos parceiras de viagens.  

Outro dia ela me deu um feedback incrível sobre como admirava meu trabalho e minha atuação. Para mim foi uma honra, ouvir da pessoa que tornou-se meu modelo de excelência tal feedback. Me emocionou. 

Moral da história: Estabelecer e cultivar bons relacionamentos não tem a ver apenas com sucesso profissional, mas com sucesso de vida. Por onde passar, faça com que as pessoas tenham as melhores recordações de você, porque no final do dia é isso que importa, o resto é perfumaria. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues 


Segunda-feira despretensiosa em Brasília - Nov/2018


quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Descubra o seu Ikigai

Outro dia, em uma dinâmica de grupo que aplicamos na empresa que trabalho o exercício era tirar uma pergunta do baralho e todos deveriam responde-la. O objetivo era possibilitar ao grupo uma maior aproximação, conhecendo um pouco mais, a partir das respostas, cada integrando do time. 

A primeira pergunta que tirei foi: "Quem é você profissionalmente" e a resposta estava na ponta língua e com muita energia:

Eu sou movida por paixão. Não me demoro onde não estou completa ou que não está alinhado ao meu objetivo de carreira e de vida. Quando não me sinto 100% comprometida eu me reinvento. Acho estranho as pessoas se acostumarem com aquilo que não traz movimento, paixão e motivação. O que percebo em minhas consultorias é que, principalmente quando você não sabe o que quer, você deixa a vida te levar, e permite que os outros deem o tom da sua caminhada. O problema dessa postura é que você se torna refém das circunstancias. 

Uma ferramenta muito simples que conheci e tenho aplicado sempre que estou em dúvida sobre minhas escolhas e decisões é o IKIGAI. Já ouviu falar? 

A palavra Ikigai, em japonês, significa algo como “a razão de ser”, ou seja, é aquilo que te faz acordar todos os dias e te movimenta em busca da sua missão de vida. É aquilo que você tem certeza que nasceu para viver, que faz seu coração bater forte, o que não significa que você tenha que mudar de cidade, de emprego, de empresa...Muitas vezes, é preciso mudar VOCÊ. 

Particularmente penso que saber para onde vamos e o que queremos fazer é uma das tarefas mais difíceis. Isso porque essa resposta implica em autoconhecimento, autoanalise e uma reflexão profunda acerca dos valores e aquilo que é inegociável. Isso porque aquilo que se aplica para um milhão de pessoas, pode ser exatamente o que NÃO se aplica para você. Uma importante lição, quando passamos a nos conhecer, é não desejar a mesma felicidade que supostamente achamos que o outro possui. 

Abaixo, compartilho a mandala do ikigai para que você possa começar sua jornada de autoconhecimento e realização. Eu gosto muito de um vídeo compartilhado pela Ana, da Annima, em seu canal, mas existe milhares de outros materiais disponíveis na internet. 



Espero que seja útil e faça sentido, afinal, o mundo muda quando a gente muda!



terça-feira, 30 de outubro de 2018

Prêmio Profissional de Secretariado do Ano 2018





Tem sido uma constante na minha fala, ao longo de todos esses anos, a gratidão por ter escolhido uma profissão que me traz tantas alegrias e realizações. Desde quando ingressei na faculdade tenho tido motivos para celebrar e agradecer. E outubro de 2018 entra para o rol dos "momentos para recordar". 


Nesse mês aconteceu mais uma edição da Conferência Nacional de Secretariado - CONASEC, um evento que acontece anualmente em São Paulo e reúne profissionais da área. Desde a primeira edição os organizadores do evento vem promovendo o Prêmio Profissional de Secretariado do Ano. 

Tive a oportunidade de estar em duas edições do CONASEC como participante e desfrutar de grandes experiências. Lembro-me que em 2013 fui à São Paulo com muitas expectativas, levando na bagagem o desejo de me conectar com o universo secretarial e com outros profissionais que pudessem contribuir para o meu desenvolvimento. Nesse ano, eu ainda me sentia sozinha levando a bandeira do Secretariado em Brasília. Embora já estivesse lecionando desde de 2009 minha trajetória era solitária e em sala de aula eu cumpria a minha missão a la trabalho de formiguinha. 


Este ano o Comitê de Secretariado Executivo do DF, um projeto idealizado e fundado por mim e Marcela Brito esteve entre os finalistas em uma lista que contemplava profissionais que são referências na área e diga-se de passagem são pessoas admiráveis pelo trabalho realizado. Para o Comitê já era uma grande alegria estar entre essas pessoas que nos inspiram, mas para nossa maior alegria recebemos, por meio de voto do juri popular, o Prêmio de Profissional de Secretariado do Ano. 

O Comitê foi fruto de muita inquietação e vontade de fazer a diferença. Sabe quando você não se encaixa e não aceita o status quo? foi por esse motivo que em uma tarde de janeiro convidei Marcela, que só conhecia pelas redes sociais, para um café. Ali, abri meu coração, minhas inquietações e o meu desejo de reunir a classe e trabalhar em prol da profissão. Estávamos em sintonia porque também era um desejo de Marcela. 

Foi então que começamos nosso trabalho - de formiguinha - e fundamos em 2015 o Comitê de Secretariado Executivo do DF. Um projeto cujo foco era Brasília e ganhou asas para outros estados do país. Muitos ingressaram, se conectaram com propósito do grupo e tem contribuído, de forma voluntária, para a profissão. Muitos também não permaneceram - ou porque não se identificaram com a proposta ou porque não era o momento. Seja como for, a partir do Comitê de Secretariado Brasília passou a reunir grandes profissionais, que até então atuavam solitariamente, como eu, na missão de reconhecer, pertencer e valorizar a profissão de Secretariado. 

Ao longo desses anos tem sido uma experiência incrível. Temos aprendido juntos como atuar, influenciar e prospectar a nossa profissão. Nosso grupo tem toda diversidade que se espera de um time e como um grande quebra-cabeça se completa, se integra. Embora diferentes - na forma de pensar, trabalhar, e atuar - nos apoiamos, respeitamos e caminhamos juntos. Temos sonhado e realizado juntos e isso é incrível. 


Revendo minhas fotos encontrei algumas da minha participação no 1o CONASEC, quando ainda trilhava sozinha, cheia de sonhos e ideias e logo concluí: O que fazemos na vida ecoa por toda a eternidade. Que dádiva a minha fazer parte desse legado!  


Muito obrigada, de o meu todo o coração, a todos que acreditaram e seguem acreditando nesse projeto tão especial, que só existe porque pessoas, assim como eu e Marcela, acreditam que juntos somos mais fortes e somos capazes de fazer a diferença que tanto desejamos.

Meu agradecimento especial à Ângela Scorsin e Betânia Santos que nos representaram nesse momento, à Minder e Steffi Maerker por proporcionarem um evento tão singular. 

Com Carinho, 

Simara Rodrigues 





CONASEC 2018 - Ângela e Betânia nos representaram  com muito amor 





CONASEC 2013 - Steffi Maerker 


Simone e Fernanda - Conheci no dia do CONASEC e ainda hoje mantemos contato.


A cara de alegria que quem ganhou no sorteio um curso da Microsoft. :) 





quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Curso: Treinando Treinadores - Técnicas de Comunicação e Apresentação para iniciantes





Com frequência recebo mensagens e solicitações de pessoas me pedindo ajuda e dicas de melhores práticas para atuação na área de treinamento e desenvolvimento de pessoas e também na docência. São pessoas que, assim como eu, sonham ajudar e orientar pessoas no desenvolvimento pessoal e profissional ou mesmo prospectar novas oportunidades de atuação. 

Foi pensando nessas pessoas que realizarei no dia 12 de novembro de 2018, em Brasília o treinamento "Treinando Treinadores", um evento cuja proposta é ajudar aqueles que buscam aprender ou aprimorar suas habilidades e competências na área de educação - corporativa e acadêmica. 

Neste treinamento, falaremos sobre os princípios básicos para uma apresentação e como se comunicar de forma assertiva com o público alvo. 

Confira abaixo a programação e garanta sua vaga no link abaixo: 

FAÇA SUA INSCRIÇÃO


TREINANDO TREINADORES - TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO E APRESENTAÇÃO PARA INICIANTES

QUAL O OBJETIVO DO CURSO?

Este curso foi idealizado pensando nas pessoas que têm interesse em atuar na docência, na realização de treinamentos e palestras institucionais. O objetivo é desenvolver e potencializar as habilidades e competências necessárias para aumentar a capacidade de expor ideias e conquistar o envolvimento e interação com o público. 


PARA QUEM É ESTE CURSO?

Para todos os profissionais que desejam lecionar, palestrar e/ou ministrar cursos e treinamentos presenciais e à distância. 


O QUE VOCÊ VAI APRENDER NESTE CURSO?


Conhecer os Princípios de Andragogia
Como criar um planejamento e roteiro de aulas, treinamentos e palestras
Qual a didática a ser adotar nas apresentações
Como planejar e apresentar o conteúdo
Oratória e técnicas de interação com o público alvo
Recursos e ferramentas para uma apresentação eficaz
Qual a postura e linguagem corporal adequada para se comunicar com público alvo


SOBRE A INSTRUTORA:

Simara Rodrigues, Sócia-Fundadora da SecGlobal é Trainer de carreira, Coordenadora e Docente em curso de graduação na Universidade Paulista – UNIP, Coautora do livro: "O Segredos para o Sucesso pessoal e Profissional - O Marketing aplicado aos relacionamentos" Ed. Ser Mais, palestrante e instrutora em eventos de pequeno, médio e grande porte no País.


domingo, 30 de setembro de 2018

Sonhar e realizar....


Minha homenagem a todos os profissionais que fazem dos seus sonhos realidade é em forma da experiência vivenciada por uma querida e dedicada aluna que tive o prazer de conhecer e ajudar em sua jornada.


Chirlane Lima foi minha aluna no curso de Secretariado Executivo e como milhares de outros alunos carregava seus medos e incertezas, mas também acreditava que sonhos se tornam realidade, e foi no Secretariado que ela encontrou as oportunidades de desenvolvimento e realização.

Atualmente Chirlane trabalha na Explore English and Mcie em Melbourne, Austrália.

A escola que ela trabalha oferece cursos de Inglês e Cursos Vocacionais na área de Business Management, Commercial Cookery (Chefe de Cozinha), Social Média Marketing e Early Childhood Care (Cuidado com Crianças).

Se você tem interesse em fazer o curso de inglês ou cursos vocacionais entre em contato com ela pelo telefone 0413 195 215 ou por email:chirlane.lima@exploreenglish.edu.au. Ela estará la para te ajudar e acompanhar durante todo o processo.

Conheça a história de Chirlane, se inspire e seja você a diferença.

Eu desejo que assim como eu e Chirlane você encontre no Secretariado a sua realização e propósito.

Um abraço

acesse o link abaixo e assista o depoimento da Chirlane :) 



sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Sobre os primeiros 40 anos da minha vida


2018 começou com muitas reflexões e sentimentos. Não sei para as outras mulheres, para mim completar 40 anos foi intenso. Um parto, eu diria. 

Refletir sobre a minha vida, foi o ponto alto do ano. enumerar cada passagem, cada ciclo, cada experiência, cada ser vivente que me acompanha nessa jornada. Algumas lembranças dolorosas, outras fortalecedoras, espetaculares e inesquecíveis.

Quando penso sobre os quarenta anos vividos tenho os seguintes registros para compartilhar:

Os primeiros dez anos poderiam ser facilmente definidos em uma única palavra: MAKTUB que em árabe significa "já estava escrito" ou "tinha que acontecer". Eu nasci de um breve relacionamento entre a minha mãe e o meu pai, um Libanês que vivia em São Paulo. Minha mãe quando soube que estava grávida, decidiu assumir a maternidade sozinha e vei para Brasília logo que nasci. Com isso, não conheci meu pai e ele tão pouco soube da minha existência. Apesar de todo amor, respeito e gratidão que tenho pela minha mãe, ainda não compreendo os motivos de fato de sua decisão. Então, pensar em MAKTUB me conforta. "Tinha que acontecer". 

Os primeiros dez anos foram marcados por sobrevivência. Minha mãe, embora tenha decidido pela independência não tinha condições financeiras de arcar com a sua decisão. Avós, tios, primos, padrinhos foram o nosso apoio e diria que nos viramos bem, apesar de todos os "perrengues". Penso que foram essas experiências que contribuíram para que me tornasse a pessoa versátil e otimista que sou. Meu lema na vida é: Pra tudo da-se um jeito. Apenas aos 08 anos fui morar definitivamente com a minha mãe. Ela é sem dúvida a mulher mais corajosa que eu conheço. 

A década seguinte foi marcada por muita rebeldia e com uma trilha sonora bem especial: Legião Urbana, Pink Floyd, guns's rose e Janis Joplin. Fazia parte da geração incompreendida, cheia de coragem, de contestações e ousadia. Fui uma adolescente impetuosa. 

Até que aos dezoito anos engravidei. Ikaro chegou no momento certo, trazendo senso de responsabilidade e comprometimento. Descobri ali que a vida não era um bolinho de carne - como dizia uma grande amiga. A vida é para quem quer viver e tem disposição e isso eu sempre tive. Com todo despreparo me tornei mãe e acredito que me saí bem, melhor do que imaginava. 

Apesar da maternidade ter me proporcionado grandes realizações e alegrias, essa década foi a mais sombria e árdua de todas. Foram anos de privações, frustrações, decepções e de muitas, muitas dificuldades, mas também a fase que me preparou para ser a pessoa que me tornei. Forte, determinada, confiante e grata -  Ah como eu sou grata por tudo que tenho e sou. 

Quando completei trinta anos eu estava exausta. Fisicamente e emocionalmente cansada. Me sentia fracassada e sem rumo. Naquele ano eu sentia uma profunda tristeza na alma, como se tivesse nadado, nadado para morrer na praia. Minha vida não tinha muito sentido. Embora fosse apaixonada pela profissão que escolhi e pela empresa, eu trabalhava com uma pessoa tirana que não me inspirava, pelo contrário, me desmotivava,  intoxicava e me adoecia. Nesse momento eu questionei: De que adianta tanto amor e dedicação? tanto esforço? Eu estava triste. Por algum motivo, lá no fundo eu acreditava em dias melhores e foi esse sentimento que me deu forças para não desistir. 

Foi então que iniciou um novo ciclo e junto o meu oceano azul. Considero os últimos dez anos como os melhores anos vividos. Tudo que sempre sonhei aconteceu nessa última década. Meus sonhos começaram a se realizar, conheci pessoas incríveis, ingressei na docência, investi muito em conhecimento e desenvolvimento pessoal e profissional. Eu cheguei exatamente onde desejava chegar. Tudo, exatamente tudo que desejei aconteceu. Foram os meus anos dourados. E é claro que nada aconteceu do dia para a noite. Não existe essa história de sucesso do dia pra noite. Toda a minha jornada contribui para que eu colhesse os frutos. E aquela pergunta feita por mim lá do passado foi respondida: Valeu a pena todo o amor e dedicação. 

Coisas simples faziam parte da minha lista: ter qualidade de vida, ter uma família, ser reconhecida profissionalmente, ter saúde, gerar valor na vida de outras pessoas e viver bem comigo. Nessa última década resolvi buscar notícias do meu pai - que infelizmente havia falecido a pouco tempo. Chorei tudo que precisava chorar, e sinto muito a sua ausência mas agradeço pelo bem mais precioso que ele poderia me dar: a vida. 

Chego em uma fase que me sinto realizada e mais confiante. Olho para trás e sinto orgulho da pessoa que tenho me tornado, e assim vou deixando a vida seguir seu fluxo - E ao longo dessa jornada algumas pessoas e projetos vão deixando de fazer sentido. Não há perdas, não há mágoas, não há lamentações. Só aprendizado e gratidão. 

Assim, me despeço de um ciclo incrível, com grandes realizações e dou boas-vindas a um novo ciclo repleto de amor, realizações, paz, prosperidade, felicidade e que eu possa continuar gerando valor na vida de outras pessoas. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues 


quinta-feira, 20 de setembro de 2018

O perigo das histórias que contam por aí


Recentemente estive em Nápoles, uma comuna Italiana localizada ao Sul do país. Desde a escolha por Nápoles, que seria apenas um stopover até meu destino final - Capri e Positano - comecei a buscar informações básicas de qualquer viajante: O que fazer, onde comer, onde hospedar,  o que conhecer e etc. 

Foi então que me deparei com opiniões diversas e impressões muitas vezes baseadas no que apenas ouviram falar. Muitos blogs e influenciadores descreviam a cidade como a mais perigosa e violenta da Itália. Os amigos mais próximos, me marcavam em todas as postagens e informações a respeito do meu roteiro. 

As vésperas de viajar, uma personalidade pública e famosa esteve em Nápoles e também em algumas das cidades que visitaria dias depois. Seus comentários me deixaram apreensiva, sobretudo porque descreveu o lugar e as pessoas como um atentado à própria vida, além de outras informações que hoje posso afirmar não fizeram nenhum sentido na minha experiência. 

Em minhas palestras costumo dizer o seguinte: 

"Não acredite em nada do que eu disser. Tudo o que direi é baseado na minha experiência pessoal e cada individuo vivencia as coisas da sua maneira. Por isso, experimente o que eu vou trazer, teste na sua vida e então, baseado na sua própria vivencia você poderá concluir se o que eu disse serve para a sua vida.”


Minha versão sobre Nápoles: 

Nápoles não é o inferno na terra. É caótica sim e diferente de tudo que já conheci na Itália. Com uma energia e movimento contagiante. Foi onde comi as pizzas mais maravilhosas e inesquecíveis do mundo, onde conheci pessoas autênticas, engraçadas, prestativas e que despertou a minha vontade de ficar mais um tempo. Nápoles é um verdadeiro museu aberto e apesar de tudo o que falam e da sujeira na rua - que é totalmente verdade - é um lugar incrível e que desperta a vontade de fazer uma imersão na história e na cultura Italiana.

Depois de tudo que li e ouvi, é verdade que não esperava muito de Nápoles. Por isso, fui sem expectativa alguma. Quando cheguei vi algo totalmente diferente do que ouvira dizer por aí. 

Dá para imaginar que por medo de falar com outras pessoas na rua - porque me disseram que não era seguro pedir informações - várias vezes recorri ao exército e policiais para encontrar endereços de pizzarias e outros pontos que estavam no meu roteiro? E o melhor foi que todos paravam atentamente para ajudar - logo criava-se aquela roda de pessoas fazendo o barulho e confusão típica do Napolitano para resolver "o problema". rs 

Costumo deixar dois dias do meu roteiro de viagem em aberto. O plano é não ter planos. Isso porque, geralmente, durante a viagem surgem lugares, possibilidades e experiências que não estavam no roteiro. A medida que vou conversando e conhecendo pessoas, os dias reservados vão sendo definidos. Eu adoro fazer isso - perder o controle e deixar fluir. 

Nesta viagem Nápoles foi escolhida e retornei para continuar meu turismo pela cidade mais pitoresca que já conheci. Em uma das noites que retornava de uma pizzaria - nada mais, nada menos que a pizzaria onde Elizabeth Gilbert, autora do livro Comer, Rezar e amar,  descreveu estar vivendo um caso de amor com uma pizza  - pedi ao garçom para chamar um taxi até o meu hotel e ele me sugeriu ir a pé, pois a noite estava linda - e estava mesmo - e o hotel era próximo. 


Disse que preferia ir de taxi porque tinha medo da cidade e da violência. Ele soltou aquela risada e da forma mais autêntica e engraçada disse: Como assim? você é Brasileira. Quem vive no Brasil não pode ter medo de Nápoles. E de repente outros napolitanos chegaram, rimos juntos e tudo virou festa! Assim é Nápoles....autêntica, intensa, carinhosa e diferente. 



E o que isso tem a ver com o blog? Já parou para pensar quantas mentiras e verdades você já ouviu sobre a profissão, sobre os profissionais, sobre as práticas secretariais e sobre carreira? Quantas vezes você ouviu falar que Secretária é babá de luxo? que não é reconhecida (o)? Que não é paga (o) para pensar? que não tem futuro? 

Durante minha carreira ouvi incansáveis mentiras, ou melhor, versões e impressões sobre a minha profissão. E sabe o que eu fiz? Fui lá ver se era verdade e se fazia sentido para a minha vida.....com isso, construí a minha própria história e versão, bem diferente do que muitas vezes ouve-se por aí. 

Por isso é tão importante que você experimente e vivencie as suas escolhas antes de tomar como verdade a história dos outros. Porque a história dos outros, é só a história dos outros. 

Com carinho, 

Simara Rodrigues






sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Que lembrança você tem deixado nas pessoas?



JL, como gosta de ser chamado, sempre foi um Executivo discreto, metódico, altamente diplomático e muito observador. Seu lado humano, foi sem dúvida um diferencial como líder e que inspirou muitas pessoas. Dele, guardo as melhoras e mais gratas lembranças. 

Ao longo de uma década tive a oportunidade de trabalhar ao seu lado, contribuindo e atuando como Secretária Executiva. Foi sem sombra de dúvidas uma parceria que deu muito certo. 

Mas nem sempre foi assim. Ao chegar na empresa JL já era executivo e tinha sua equipe. Eu fui contratada para Secretariar outro executivo. Sete meses depois a empresa anunciou a primeira das dezenas de reestruturações que participei. Com a reengenharia anunciada, cada filial contaria apenas com uma Secretária e infelizmente apenas eu permaneci. Ao mesmo tempo que dava graças a Deus, considerando o pouquíssimo tempo de empresa. Ali,  aprendi que o mundo corporativo é muito mais dinâmico e sagaz do que imaginava. 

Naquela época, eu romantizava as relações corporativas, foi então que entendi na prática o jargão: business is business! 

Ali a ficha caiu que para permanecer - E eu queria muito permanecer - não bastaria ser boa, era preciso ser a melhor que pudesse ser. Foi uma das épocas mais difíceis, principalmente pelo desafio de secretariar sozinha todos os Executivos de Brasilia e os "flutuantes" - nome que dávamos aos Executivos que eram da Matriz e vinham à Brasilia periodicamente - e com pouca experiência. Naquela época, eu era uma Secretária Júnior. 

Outro desafio foi conquistar a confiança de JL, afinal, ele não "me escolheu", não participou do meu processo, não sabia absolutamente nada sobre mim, meus valores, minhas habilidades e competências. Aos poucos, fui me aproximando, mostrando meu trabalho e conquistando sua confiança. Aqui vale ressaltar que confiança não se pede, se conquista e com ele não foi diferente. 

Com o passar do tempo fomos construindo uma parceria que por vezes parecia que eu tinha aquela tal bola de cristal que costumam dizer que Profissionais de Secretariado têm escondido. Era muita sincronicidadade!

Um dos executivos mais dinâmicos e que parecia estar ligado na tomada de 220 volts que eu já assessorei. As vezes penso que ele não dormia. Enviava mensagem antes de amanhecer e 00h ainda tinha disposição para enviar "torpedos" que depois foram substituídos pelas mensagens de whatsapp. 

Embora não ele seja jovem sempre foi altamente tecnológico, autodidata e inteligente. Ai de mim se não acompanhasse as evoluções dos serviços e tecnologia, pois mesmo sendo um líder preocupado com pessoas, não media palavras e broncas, quando preciso fosse. Era assertivo e pontual. Todos tremiam na base.   

Tive o privilégio de assessora-lo por uma década, além das dezenas de outros executivos que  passaram pela empresa e que simultaneamente assessorei. 

Executivos chegavam, saiam, mudavam de estado, de país, de área, de função,  mas sempre o assessorei. Algumas épocas como meu Big Boss, outras como mais um dos muitos executivos que o assessorava. Em média eram cinco executivos para cada Profissional de Secretariado. Seja como for, nossa relação sempre foi a mesma. O fato de por vezes ter mais ou menos poder nunca foi um termômetro da nossa parceria.   

Acompanhei seus filhos crescerem, irem embora, casarem, voltarem  e ainda hoje mantemos contato. O filho mais jovem, outro dia me encontrou e tive que me segurar para não trata-lo como aquele menino que ia ao escritório visitar o pai. Hoje, com a voz grossa prepara-se para ingressar no mundo corporativo. 

Já não trabalhamos juntos desde 2015, mas ainda mantemos contato e com o mesmo respeito e admiração lhe peço conselhos e orientação. Sempre que olho para trás, e faço isso com muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiita frequência, é inevitável não ser tomada por um sentimento de profunda gratidão pela oportunidade de aprendizado e crescimento que o Secretariado meu proporcionou. Tenho convicção que não teria tido as mesmas oportunidades exercendo outra profissão. 

Esta semana, nos encontramos - Eu, ele, sua esposa e uma amiga Italiana - para almoçar e conversar.  Dessa vez não falamos de negócios, de agenda, de pendências, de prazos, metas, clientes, feedback e preocupações, mas sobre a vida, viagens, experiências, família e matamos a saudade com presença. Foi sensacional e gratificante ouvi-lo me apresentar à sua amiga como seu braço direito e expressando carinhosamente elogios sobre o meu trabalho e a forma como atuei. 

Se há uma receita para essa parceria ouso dizer que foi dedicação, postura adequada, tempo e paixão pelo fiz. Pedras pelo caminho? claro que sim, mas elas nunca  foram capazes de invalidar minhas escolhas e o meu propósito. 

A medida que avanço na minha carreira, me convenço que não é o dinheiro, o glamour ou o poder que definem o nosso sucesso, mas a capacidade de tocar o coração de outras pessoas. Que lembrança você tem deixado nas pessoas? Pelo que as pessoas se recordam de você? Isso não tem preço e só é possível quando você está 100% comprometido em fazer e ser o melhor que puder.  

Com carinho, 

Simara Rodrigues,







O Jeito Disney de encantar os clientes

Tenho postado no blog menos do que gostaria. Em parte porque tenho dedicado mais tempo à alguns assuntos e projetos pessoais. Aos poucos tenho aprendido e exercitado que fazer escolhas exige renuncias. Ao mesmo tempo que aprendo continuamente que estar ocupado é diferente de ser produtivo. 

De qualquer forma, embora com menos rotina, busco estar presente no blog compartilhando minhas experiências e informações sobre o universo Corporativo e claro Secretarial. 

Recentemente participei do treinamento "Aprendendo com o Padrão Disney de Excelência" promovido pela ABRAPP - Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. Ao longo do treinamento os participantes tiveram a oportunidade de aprender e experimentar o poder do "ir além" do esperado. Tomada pela energia do treinamento fui reler o livro "O jeito Disney de encantar os clientes” um best-seller mundial, lançado no Brasil em 2011 e que está totalmente conectado às melhores práticas do mundo corporativo e àqueles que buscam excelência em seus atendimentos. 


Mickey chegando de surpresa ao término do treinamento para entregar os certificados. Todos ficaram encantados e voltaram a ser crianças!!! 

Há anos, o Disney Institute tem recebido dezenas de milhares de profissionais de praticamente todos os setores em busca de conhecimento e novas experiências. Mas afinal, o que a Disney pode ensinar ao mundo corporativo sobre excelência e atendimento? O que o entretenimento tem a ver com gestão e qualidade de atendimento? 

O consultor e palestrante, José Ricardo Noronha, fez uma análise comentada a respeito do Modelo Disney de Encantamento dos Clientes, e que vale muito a pena a leitura:

1. Saiba servir aos seus clientes

A Disney nos ensina que é preciso que cada membro do “elenco” (como a Disney chama seus mais de 55 mil profissionais) saiba servir aos milhões de “convidados” (é assim que a Disney chama seus clientes) todos os anos tendo sempre como mola propulsora de tudo o que se faz: a magia! Como diz Michael Eisner, presidente da Disney, “A magia de passar as férias na Disney é para mim a magia da qualidade, a magia dos encontros familiares, a magia dos nossos membros do elenco. Todas essas coisas meio que se misturam”.

2. Crie momentos mágicos

Ao longo de cada dia nos Parques do Complexo Disney inúmeros são os momentos mágicos, que são exatamente os momentos onde se cria e se fortalece um vínculo maior com cada cliente. Questione-se o tempo todo e veja se você não tem gerado mais momentos trágicos do que momentos mágicos aos seus clientes e lembre-se que a criação dos momentos mágicos deve acontecer ao longo de todas as etapas do ciclo de vendas incluindo pré-vendas, abordagem, identificação das necessidades, apresentação dos produtos e serviços, fechamento e pós venda. Crie momentos mágicos sempre e aumente a fidelização e o encantamento dos seus clientes!

3. Desenvolva a magia prática

É importante lembrar que para a Disney e também para a sua empresa a magia deve ser uma questão prática. E magia prática, de uma forma bastante resumida e simplificada, pode ser traduzida em saber criar o tempo todo experiências mágicas pautadas sempre pelo excelente atendimento, pelo desejo de encantar, de ouvir, coletar informações e desejos dos clientes, de prestar atenção a todos os detalhes e de sempre superar as expectativas dos seus clientes. Isso é magia prática!

4. Venda experiências o tempo todo

Como tão bem diz o livro e eu concordo integralmente, pois já vivi esta experiência, na Disney a maioria dos pais não leva seus filhos apenas para mais um Evento. Eles levam suas famílias para fazer desta experiência compartilhada parte das conversas familiares pelos próximos meses e anos. Entender e dominar esta visão profunda de que cada compra de um produto ou serviço impacta positivamente a vida e os negócios do seu cliente exige um trabalho árduo não apenas das suas Equipes de Marketing, mas de todos os departamentos da sua empresa, pois ao final do dia todos existem e são pagos por uma única pessoa que se chama cliente. É a existência destes momentos mágicos que permitem criar experiências que de tão únicas que geram a tão sonhada recorrência. Como sempre digo em todas as minhas palestras e cursos: Boa Experiência gera Recorrência.

5. Supere expectativas e desenvolva o fator UAU!

Na Disney, superar as expectativas do cliente (ou dos “convidados” como eles chamam seus clientes) é um dever e assim também o deve ser em sua empresa. Superar expectativas é não se ater apenas a responder à questão formulada pelo seu cliente e sim acompanhar o cliente até o seu destino (exemplo Disney). No seu negócio específico, superar expectativas não pode ser apenas vender ótimos produtos e serviços e sim ajudar o cliente o tempo todo em atividades que muitas vezes não fazem parte da sua responsabilidade e das suas atribuições. E só supera expectativas quem conhece profundamente as necessidades, desejos e sonhos do cliente e quem trabalha incansavelmente para superá-los. É isso que se pode chamar de Fator UAU!!

6. Atenção aos detalhes

A Disney é conhecida por sua obsessão pela atenção aos detalhes. Nos quartos de Hotel da Disney, os clientes se deparam com dois olhos mágicos, um na altura dos olhos dos adultos e outro na altura dos olhos das crianças. Nos parques, as lixeiras estão dispostas em intervalos regulares de oito metros, visto que esta é distância que uma pessoa em média carregaria lixo antes de jogá-lo no chão. Veja que interessante: para exceder as expectativas dos convidados é crucial prestar atenção a todos os detalhes e quão maior for esta atenção, maior a chance de se criar experiências fenomenais e de alta qualidade que tem como resultado final os convidados voltarem em anos seguintes para os Parques da Disney. No mundo recheado de ofertas de produtos e serviços similares aos nossos, prestar atenção aos detalhes deixou de ser diferencial e virou pré-requisito de existência. Ou você presta atenção em todos os detalhes ou o seu concorrente o fará!

7. A magia do atendimento

Na Disney, o ciclo de atendimento começa no centro do circuito, com as necessidades, desejos, percepções e emoções dos convidados. É isso que a Disney chama de “Guestology” ou “Clientologia”, que na Disney está sempre amparada na seguinte visão: “Criar felicidade para pessoas de todas as idades, por toda a parte“. E para fazer isso, a Disney tem quatro padrões de atendimento que em ordem de importância assim se apresentam: segurança, cortesia, espetáculo e eficiência. Cordialidade, comprometimento, amor pelo que faz e magia são apenas alguns dos elementos presentes em tudo o que a Disney faz para prover um atendimento absolutamente sensacional aos seus convidados. Seja crítico e faça uma lista dos adjetivos que hoje caracterizam a forma com que você e sua Empresa se relacionam com o mercado e inclua alguns destes elementos acima para mostrar ao seu cliente o quanto você o aprecia, o quanto você o ama e o quanto você o quer sempre trabalhando com você. E lembre-se sempre: Vender é Servir! Vender é Ajudar!

8. Entenda seus clientes

Para entender bem os clientes a Disney busca o tempo todo entender suas necessidades, desejos e sonhos, solucionar seus problemas e coletar informações que as permitam aprimorar cada um dos processos da Empresa que tenham impacto na visão e missão da empresa de encantar clientes e gerar experiências inesquecíveis. Para isso, eles utilizam inúmeras técnicas que incluem vários “pontos de escuta” em diferentes momentos durante a experiência dos convidados que foram concebidos exatamente para coletar e entender o que o cliente realmente quer e deseja. Se você não entende bem seus clientes, nunca irá conseguir atendê-los bem, pois só atende bem quem entende profundamente seus clientes e públicos alvo. Ou como falo em todas minhas Palestras: Entendimento é mais importante que Atendimento!

9. Crie o perfil do seu cliente (ou convidado)

Na Disney estudos precisos que incluem fatores demográficos (características físicas da base de clientes) e psicográficos (atitudes, estilo de vida, valores e opiniões) são realizados o tempo todo, o que permite que a organização construa novas atrações e incríveis novas experiências o tempo todo também. Como Walt Disney tão brilhantemente nos ensinou: “Você não constrói nada sozinho. Você descobre o que as pessoas querem e constrói para elas“. Dica de ouro: quando for criar o perfil do seu cliente aproveite a oportunidade para criar também o perfil do seu não cliente, pois um erro muito comum em vendas é acreditar que um produto ou serviço pode atender satisfatoriamente bem todos os públicos. Não caia nesse erro!

10. Crie um tema de atendimento inigualável

Na Disney este tema é: “Criamos felicidade proporcionando o melhor em entretenimento para pessoas de todas as idades, por toda parte“. Seu tema de atendimento precisa ser além de único, factível de ser colocado em prática e deve ser perseguido de forma incansável o tempo todo. Faça do seu tema de atendimento um diferencial de existência da sua empresa.

11. Busque sempre o extra mile (milha extra) – BÔNUS

Sim, é um bônus, pois vendedor bom é aquele que sempre supera as expectativas do seu cliente! Busque sempre o extra mile (milha extra). Lembre-se sempre que o sucesso que o trouxe até aqui não é garantia alguma de um novo sucesso. “Neste nosso negócio tão volátil não podemos nos dar ao luxo de descansar sobre os louros das nossas vitórias, e nem menos de fazer uma pausa para olhar o passado. As épocas e condições mudam com tanta rapidez que devemos manter nossa mira constantemente focada no futuro” – Walt Disney.


Já parou para pensar que profissional de Secretariado pode aplicar todos os conceitos acima e encantar o(s) seu (s) cliente (s)? 

Então, parafraseando Walt Disney, pare de falar e comece a fazer.

Um abraço,

Simara Rodrigues,





quinta-feira, 12 de julho de 2018

Secretariar continuará sendo um grande desafio




Faz parte da minha rotina acessar todos os dias as redes sociais e acompanhar as notícias, tendências e novidades. O que vejo, com muita frequência em minha timeline, são pessoas compartilhando suas frustrações e inquietações sobre o mercado de trabalho e principalmente sobre a profissão de Secretariado. Com uma bagagem de quase duas décadas de experiência sinto-me confortável para afirmar que atuar na área de Secretariado sempre foi e será um grande desafio. 

Em 1999, quando ingressei no mercado de trabalho, na área de Secretariado, o desafio era atuar em um meio que acreditava na máxima que qualquer individuo poderia secretariar, com ou sem nível superior. Atender telefone e organizar uma agenda era simples e não exigia competência. Assim pensavam as pessoas. Logo, a remuneração acompanhava a crença. Foi uma  época que exigiu postura e posicionamento daqueles que buscavam desconstruir tais crenças. 

Durante anos a pergunta "precisa de curso superior para ser secretária?" fez parte da minha vida. Nas inúmeras entrevistas que participei nem o RH e muito menos os gestores das vagas sabiam o que um profissional de Secretariado fazia. O que por vezes, limitou minhas atribuições como estagiária aos serviços operacionais como tirar cópias, entregar documentos e comprar o lanche da Secretária "chefe" - cargo que naquela época designava a mais "poderosa" do pool. Poderes esses que nem sempre estavam relacionados à competência e habilidades, mas à atuação como "leão de chácara". Mas isso será tema para outro post. 

Outro grande desafio, no início da minha carreira, foi atuar na área como uma estranha no ninho. Ou seja, atuar por paixão, vocação e buscando formação específica. Esse comportamento não fazia parte da realidade de muitos indivíduos daquela época. As pessoas escolhiam secretariar, na maioria dos casos, única e exclusivamente pela remuneração comissionada - No serviço público quem atuava como Secretária (o) era nomeada (o) com um cargo comissionado - ou porque em suas áreas de origem não havia oportunidade. O Secretariado era, em grande parte, a profissão dos desesperados e sem objetivo de carreira. Não sabe o que quer, vai secretariar. Assim era a realidade - velada - do mercado. 

"Eu não sou Secretária, eu estou secretária" era a frase mais ouvida nos raros treinamentos e que ecoava pelos corredores e pools de Secretariado ano após ano. Naquela época, uma das poucas pessoas a realizar treinamentos pelo país era Steffi Maerker, que por sua trajetória e relação com o secretariado atuava na capacitação de profissionais da área. Além dela, aconteciam os Congressos promovidos pelas entidades de classe, cujo interesse de alguns participantes dependia da localidade do evento. Ou seja, se fosse no litoral o quórum era garantido. Muitas secretárias que conheci naquela época não estavam preocupadas com desenvolvimento e capacitação e os próprios gestores viam os treinamentos como uma recompensa. Certa vez ouvi um gestor conversando com o responsável pelos treinamentos e de forma debochada disse: "Escolhe um treinamento no litoral assim elas param de reclamar. Secretária não quer saber de treinamento, quer mesmo é viajar". 

Capacitação, mentores, treinadores e professores com formação em secretariado não eram abundantes como hoje. Minha professora de Técnicas Secretariais, embora fosse muito gentil, dedicada e atenciosa nunca atuou na prática o que inviabilizada uma troca e intercâmbio de experiências. Era uma época de muita teoria e dúvidas. Aprendi a Secretariar aos trampos e barrancos - cometendo muitos erros. Uma das minhas primeiras supervisoras de estágio me perguntava quase que diariamente o porquê de escolher um curso tão ruim e tão "sem futuro". Secretariar, há duas décadas, era algo tão irrelevante e desnecessário, para o olhar de algumas pessoas sem visão de futuro, que era inacreditável pessoas como eu se dedicando para tal formação e atuação. 

A reflexão de hoje é: Sempre passaremos por desafios e transformações. Isso é cíclico. É claro que não é fácil e é verdade que vivemos um momento de escassez de oportunidades, alto nível de exigência e alta competitividade. E é por essa razão que a profissão de Secretariado continuará atraindo e recompensando aqueles que sabem o que querem e têm o desejo ardente de fazer a diferença. Não há atalhos, é preciso continuar atuando com excelência, vocação, se reinventando e investindo na carreira. 

Eu penso que se a minha geração e as anteriores contribuíram para um Secretariado mais participativo, estratégico e atuante, esta geração e as futuras têm total competência e ferramentas necessárias para dar continuidade a este legado. 

Qual a sua opinião?

com carinho, 

Simara Rodrigues